Brasilia Para Pessoas

29
setembro
Publicado por Brasília no dia 29 de setembro de 2016

UIRÁ LOURENÇO – Servidor público, ambientalista e colaborador do Mobilize Brasil

Publicado no Correio Braziliense: 28/09/2016

DSCN3296_08-07-2015_AsaNorte_Eixao_Ponte Bragueto_Carros_edit3

Na semana em que se celebra o Dia Mundial sem Carro (22/9) vale refletir sobre a (i)mobilidade na capital federal. A data foi criada na França em 1997 e atualmente é comemorada em diversas cidades de vários países. E, para tratar de mobilidade, há que se atentar para as condições de segurança no trânsito. Os jornais estampam o saldo dos últimos dias nas vias do Distrito Federal: nove mortes, incluindo duas crianças, um adolescente e um idoso atropelado. O alto limite de velocidade e a imprudência resultam em muitas famílias destroçadas.

Ao longo dos anos, houve poucas ações voltados à segurança no trânsito e ao incentivo dos meios alternativos ao automóvel. Apesar da fama de respeito ao pedestre, basta caminhar um trajeto curto na área central para constatar a situação vexatória de inacessibilidade. Um cadeirante ou um cego é incapaz de transpor os inúmeros obstáculos para ir da rodoviária do Plano Piloto à catedral. Da mesma forma, apesar de se intitular capital das ciclovias, o ciclista sofre com graves problemas e em vários pontos, como na rodoviária e próximo ao Congresso Nacional, a ciclovia simplesmente desaparece.

E o que dizer do transporte coletivo? O metrô empacou nos 42km de extensão. O projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) foi anunciado em 2008 e continua sem data para lançamento. A ligação por trem entre Brasília e cidades do Entorno é algo bastante plausível, e também utópico. Quanto ao transporte por ônibus, não precisa ser especialista no tema, basta parar e perceber o absurdo: trabalhadores amontoados em veículos superlotados, obrigados a pagar tarifa elevada e perder horas no trajeto diário.

A expressão “pra gringo ver” descreve bem as ações voltadas a pedestres e ciclistas. Ciclovias no canteiro, onde é fácil construir, que terminam nos pontos onde mais se precisa de um caminho segregado e seguro. Calçadas amplas e novas em canteiro arborizado, onde passa pouca gente a pé, contrastam com calçadas totalmente deterioradas e invadidas por carros em locais movimentados, como a via W3 e o Setor de Rádio e TV Sul.

Em contraste com a lentidão nas ações voltadas ao transporte coletivo e saudável, nos últimos anos se executaram várias obras de ampliação do espaço aos carros, como a ampliação da Estrada Parque Taguatinga (EPTG), curiosamente chamada de Linha Verde. E vários outros projetos de incentivo ao transporte individual motorizado foram propostos, como um viaduto no Sudoeste, um túnel em Taguatinga e a nova via Transbrasília.

Enquanto cidades modernas derrubam viadutos para criar mais espaços de lazer, aqui ainda se mantém o modelo atrasado. Além de pistas, túneis e viadutos, o modelo insustentável inclui a invasão de canteiros, calçadas e ciclovias por carros. Até quadra de esporte vira estacionamento na tentativa de acomodar a frota crescente de carros. A ausência de fiscalização rígida contra os motoristas infratores resulta em caminhos a pedestres e ciclistas bloqueados diariamente.

O atual governador assumiu com um plano de governo promissor na área de mobilidade. Entre os objetivos, destacam-se: “ampliar o uso de bicicletas para deslocamentos diários casa-trabalho e casa-escola”, “facilitar o uso das calçadas pelos pedestres” e “promover acessibilidade para as pessoas com deficiência ou dificuldades de locomoção”. Na prática o que se vê é mais do mesmo: rodoviarismo caro e atrasado, apesar das inúmeras leis que dispõem sobre o incentivo aos modos coletivos e saudáveis de transporte.

Na semana e em especial no dia 22, o GDF promoveu atividades para incentivar os modos saudáveis de locomoção. Por outro lado, executa obras de ampliação do espaço aos carros no norte do DF, com diversos túneis e viadutos para deleite motorizado, numa região bastante carente de transporte coletivo e inacessível a pé e por bicicleta. Em vez de exemplo em sustentabilidade, a capital federal cada vez mais agrava a imobilidade e fica sufocada pela frota crescente de automóveis, que resulta em congestionamentos, estresse, sedentarismo e poluição.

Com cofres públicos vazios e risco iminente de racionamento de água, o atual governo desperdiça preciosos recursos em obras para devastar grandes áreas, aterrar nascentes, aumentar o nível de impermeabilização do solo e incentivar o uso de carro. Fica a pergunta aos gestores públicos: por que não seguir as leis e os compromissos de governo e implantar um modelo de mobilidade moderno, com segurança e incentivos a quem deixa o carro em casa?



Compartilhe

Comente

Seu e-mail nunca é exibido. Campos obrigatórios são marcados *

*
*
*


Busca no Blog
Com a palavra...
Irene Ana Paula Borba
Arquiteta e Urbanista. Mestre e Doutora em Transportes (UnB e UL - Lisboa). Professora do UniCEUB (Centro Universitário de Brasília). Pesquisadora Colaboradora do Instituto Superior Técnico (IST - Lisboa). Pesquisadora Responsável pelo Grupo de Pesquisa PES Urbanos (Pesquisa em Espaços Sociais Urbanos) vinculado ao CNPq. A paixão por andar a pé existe desde sempre, mas se ampliou na academia (após a leitura de muitos teóricos como Jane Jacobs e Jan Gehl - seus maiores inspiradores) e após a finalização da tese de doutorado (em que estudou em profundidade o pedestre), decidiu aliar a teoria à prática. Tornou-se, coorganizadora do Jane's Walk em Brasília e colaboradora do Mobilize. E hoje é conhecida como Paulinha Pedestre.

Irene Uirá Lourenço
Servidor público e ambientalista. Usa bicicleta no dia a dia há 15 anos e, por opção, não tem carro. A família toda pedala, caminha e usa transporte coletivo. Tem como paixão e hobby a análise da mobilidade urbana, com foco nos modos saudáveis e coletivos de transporte. Com duas câmeras e o olhar sempre atento, registra a mobilidade em Brasília e nas cidades por onde passa. O acervo de imagens (fotos e vídeos), os artigos e estudos produzidos são divulgados e compartilhados com gestores públicos e técnicos, na busca de escapar do modelo rodoviarista atrasado e consolidar o modelo humano e saudável de cidade. Atualmente é voluntário do Bike Anjo, colaborador do Mobilize e coorganizador do Jane’s Walk em Brasília.
Posts mais lidos
Categorias
Arquivo

Realização
Associação Abaporu
Desenvolvimento
MSZ Solutions
Comunicação
Mandarim Comunicação
Patrocínio
Itau

Allianz
Apoio
Ernst & Young
Prêmio
Empreendedor Social
Prêmio Empreendedor Social