Itália: mudam o idioma e o comportamento – Mobilize Europa
Mobilize Europa

17
julho
Publicado por admin no dia 17 de julho de 2013

Entrei na Itália pela cidade de Como, após cruzar o passo de San Bernardino e atravessar a parte italiana da Suíça. Já do outro lado da montanha era nítida a diferença entre duas regiões do mesmo país. De onde eu vinha se falava alemão e toda a comunicação se dava nesta língua, e do outro lado já era tudo em italiano. O comportamento no trânsito também começava a mudar e aos poucos se tornava até um pouco caótico, na medida em que eu chegava mais próximo da fronteira.

 

IMG_9795 (1)

Pista compartilhada em cidade suíça, a caminho da Itália

 

Estava entrando num país com forte tradição ciclística, atletas e equipes de ponta, torneios famosos e grandes marcas de bicicleta, além é claro, do enorme número de ciclistas. Por este motivo eu me espantei bastante quando tive que fazer boa parte do meu percurso entre os carros, respirando fumaça preta, e sem qualquer indicação de rotas para bicicletas. Aos poucos pude notar que a maioria das cidades italianas por onde eu passava possuíam boa estrutura cicloviária, mas não as estradas entre elas. Tampouco existem mapas ou guias com melhores rotas para bicicletas pelo país, ou se existem, não são fáceis de se encontrar.

 

Apesar da diferença de infraestrutura e comportamento no trânsito em relação à Suíça, Alemanha, Holanda e demais países que visitei, o norte da Itália ainda é totalmente ciclável, mas, pela primeira vez em mais de 3 mil quilômetros rodados, senti a necessidade real do capacete. A maior cidade do meu percurso nesta etapa era Milão, que já na sua periferia conta com VLT’s até o centro, pequenas rotas de velocidade reduzida e também as super-estradas italianas, proibidas para bicicletas. A falta de indicação para ciclistas me fez “cair” diversas vezes nesta auto-pista, mas com um pouco de paciência e atenção consegui sempre acertar o caminho.

 

Milão se parece muito com outros grandes centros europeus, porém com uma grande diferença: o comportamento das pessoas. Mesmo servida de VLT’s, ônibus, metrô, calçadas e ciclovias, como em Berlin, Viena ou Amsterdã, o deslocamento na cidade é uma bagunça. Por exemplo, não são todas as pessoas que respeitam sinais de trânsito, por exemplo. Mas isso certamente não me impediu de ir e vir a qualquer lugar com minha bicicleta. Muito pelo contrário: pedalar era tão fácil que me parecia uma opção melhor até do que as Vespas e Scooters italianas, unanimidades por aqui.

 

Em um ponto-turístico no centro da cidade um cartaz me fez lembrar do SampaPé , o blog da Leticia Sabino no Mobilize. Trata-se de um programa municipal para incentivar as pessoas a caminhar pela cidade, ou seja, dar condições para que a pessoas façam seus deslocamentos a pé! Me pareceu uma abordagem interessante já que existem boas calçadas, diversos parques, monumentos históricos e centros de compras muito próximos uns aos outros.

 

IMG 02104

Sistema de aluguel de bicicletas em Milão

 

Os ônibus e VLT’s também funcionam muito bem, com hora marcada, painéis informativos em todas as estações e operações inclusive à noite. Em uma viagem de tram de um lado da cidade para o outro, vi pela primeira vez duas pessoas sendo multadas por não possuir os bilhetes. E a multa é salgada: Trinta Euros !!! Uma boa opção por aqui também é o aluguel de bicicletas, num modelo parecido com o adotado em algumas cidades do Brasil, com pontos espalhados por toda a cidade. Resumindo, é uma cidade que não é carente de transporte coletivo, ciclovias, calçadas, ou sinalização, mas mesmo assim, muitos preferem andar de carro ou moto.

 

Foi mais fácil sair de Milão do que chegar. Acertei o caminho e consegui pegar pequenas estradas, com menor trânsito de automóveis e velocidade reduzida. Toda vez que eu entrava numa pequena vila ou cidade do caminho, as faixas para bicicletas apareciam, como que por milagre, para depois desaparecer, assim que eu terminasse de atravessar seu território. Meu destino era o Vale D’Aosta, uma das regiões mais bonitas pelas quais passei, por onde eu atravessaria os Alpes pelo passo do Grand San Bernard. Era sem dúvida meu maior desafio até o momento, que se complicou ainda mais porque boa parte da subida era estreita e dividida com um volume grande de veículos. Só depois da primeira metade da subida é que carros em alta velocidade pegam um túnel e os demais continuam pela mesma pista.

 

IMG_9944

Na estrada italiana o pedal por um pequeno acostamento, sem separação física dos carros

 

Na parte mais pesada da subida uma motocicleta subindo em alta velocidade colidiu com um ciclista, que descia no sentido contrário. O acidente foi realmente feio e me fez pensar muito no valor que as pessoas dão para suas vidas e como isso pode ser cruel. O motociclista permaneceu desacordado até eu sair de lá e o ciclista estava encostado num canto, visivelmente machucado, porém consciente. Penso que mesmo na subida, a alta velocidade da moto e a exposição do seu condutor tornaram o veículo mais perigoso do que a bicicleta, que não é capaz de desenvolver tanta velocidade, ainda que na descida.

 

IMG_9948

Ponto de ônibus no Vale D’Aosta – Itália


Passado o choque, a travessia felizmente não teve mais incidentes como esse, que certamente me deixou ainda mais cauteloso na minha jornada. As pequenas vilas das montanhas nesta parte da Itália foram as mais incríveis que eu vi até agora, por isso também não tinha pressa. Após atravessar as montanhas geladas do Grand San Bernard peguei cerca de 40 km de descida, quase que ininterruptamente, para chegar em Martigny, na Suíça. Agora cruzarei Genebra para chegar na França.

 

IMG_0102

Passo do Grand San Bernard, nas montanhas geladas da Itália

 

 

 



Compartilhe

Comente

1 Comentário

Marlise Santos
Enviado 18 de julho de 2013 às 21:19 | Permalink

Muito legal seu post. Morei vários anos em Milão e conheço muito bem a Itália. Se você puder visitar as cidades de Ferrara e Ravena ficará espantado com a diferença em relação a cultura de ciclismo existente nessas duas localidades em relação a outros lugares da Itália. 

Seu e-mail nunca é exibido. Campos obrigatórios são marcados *

*
*
*


Busca no Blog
Sobre o Blog
Especialistas, colaboradores e parceiros do Mobilize escrevem suas impressões sobre a mobilidade urbana nas cidades europeias, de bicicleta, sobre skates, em cadeiras de rodas, correndo ou andando, no metrô, VLT, ônibus, barcos, funiculares, riquixás e outras modalidades de transporte urbano.
Com a palavra...
Mariana Falcone Mariana Falcone Guerra é arquiteta graduada e com mestrado pela FAU-USP. Atualmente está na Espanha, realizando doutorado no Centro de Inovação em Tecnologia para o Desenvolvimento Humano da Universidade Politécnica de Madri. Há mais de dez anos dedica-se à área urbanística, desenvolvendo projetos e consultorias voltadas ao desenho urbano inclusivo, e ao reforço da métrica pedestre. Acredita que a apropriação do espaço público pelas pessoas é a melhor estratégia para reforçar a segurança e a vitalidade das cidades.
Posts mais lidos
Categorias
Arquivo
Realização
Associação Abaporu
Desenvolvimento
MSZ Solutions
Comunicação
Mandarim Comunicação
Patrocínio
Itau Allianz
Apoio
Ernst & Young
Prêmio
Empreendedor Social
Prêmio Empreendedor Social