Rumo a Viena, debaixo de chuva – Mobilize Europa
Mobilize Europa

20
maio
Publicado por admin no dia 20 de maio de 2013

Com a ajuda de um guia online, indicado por um amigo que conheci no interior da República Tcheca, consegui traçar a rota que faria de Praga a Viena, conhecida por aqui como Greenways Praha-Wien, antes de sair para esta nova etapa.

 

Sinalização para acesso à ciclovia Greenways Praha-Wien

Sinalização para acesso à ciclovia Greenways Praha-Wien

 

Anotei os nomes das principais cidades, suas respectivas distâncias e também gravei o símbolo que deveria procurar nas placas das ciclovias. Estava tudo pronto para deixar uma das cidades mais encantadoras desta viagem e colocar novamente o pé na estrada.

 

Como de costume, o dia da partida amanheceu chuvoso, o que sempre dificulta um pouco a “largada”, uma vez que sair pedalando na chuva é muito mais incômodo do que quando você já está pedalando e a chuva começa. Nesse caso não teve jeito, saí todo encapotado e com minha bagagem protegida, do jeito que dava. Perguntei na recepção pela direção a seguir e não foi muito dificil encontrar o caminho. Na cidade existem algumas ciclovias, mas elas são confusas e desconectadas umas das outras. Optei por seguir a indicação que eu tinha e em poucos minutos já estava na periferia.
 
Ciclovia/rodoviaGreenways Praha-Wien

Ciclovia/rodoviaGreenways Praha-Wien

 

Foi interessante perceber que em Praga o tram (bonde ou VLT) também abrange a região metropolitana, e  que existe uma grande concentração de terminais de ônibus no entorno da cidade. Saindo da capital as ciclovias voltaram a aparecer, agora melhor sinalizadas, embora ainda longe do padrão alemão ou holandês. Pedalei por alguns quilômetros ainda no perímetro urbano e aos poucos a paisagem foi se transformando. A ciclovia passava ora às margens do rio, ora à beira da estrada e às vezes ao lado da ferrovia. Como sempre, o trem estava por toda a parte.
 

Em uma hora de pedal eu já estava praticamente no interior da República Tcheca. Passava por inúmeras florestas, onde muitas vezes as ciclovias desapareceram, e tive que pedalar novamente dividindo espaço com os carros. Eram vias mais tranquilas, mas já começava a enfrentar algumas montanhas, conforme me aproximava da fronteira com a Áustria. Também nessa região, me chamavam a atenção os pontos de ônibus de madeira, em formato de pequenos chalés, pois por mais comuns que fossem por aqui, estavam por toda parte, até nas pequenas vilas do interior.

 

Abrigado em um ponto de ônibus, ainda na República Tcheca

Abrigado em um ponto de ônibus, ainda na República Tcheca

 

Me impressiona a criatividade desse povo para fazer pontos de ônibus, cada um mais bonito e confortável do que o outro! Não é à toa que os pontos de ônibus se tornaram meu local favorito para as pausas para descanso no meio da viagem. Mesmo que parecesse impossível, na Áustria os pontos eram ainda mais rebuscados, com uma estrutura de metal, ou de alvenaria, com janelas, bancos, tudo de primeira!

 

Além disso, todas as pequenas cidades têm mais ou menos a mesma estrutura, com o tempo acabei me acostumando. Um centro antigo, com ruas estreitas de paralelepípedo, fechadas para o trânsito de automóveis e cercadas por uma região de velocidade reduzida (30km/h), com trânsito compartilhado com as bicicletas e eventualmente, quando a cidade  é um pouco maior, o VLT.

 

Cidade no interior da Áustria: zona 30km/h e prioridade total ao pedestre

Cidade no interior da Áustria: zona 30km/h e prioridade total ao pedestre

 

Cada cidade também possui sua estação de trem, que muitas vezes consiste num pequeno ponto, parecido com o dos ônibus, instalado na frente das antigas estações, estas sim muito maiores, mas já sem utilidade, a não ser histórica e estética. Mesmo assim o trem tem um papel fundamental e além da cidade ter se desenvolvido a sua volta, um pequeno comércio sempre se estabelece próximo à estação. Parece incrível, mudar de país e perceber mais ou menos as mesmas condições. Isso torna tudo muito mais fácil tanto para os moradores quanto para os viajantes.

 

Leia o outro blog de Du Dias, Dicamelo: http://dicamelo.wordpress.com/

 
 
 
 



Compartilhe

Comente

Seu e-mail nunca é exibido. Campos obrigatórios são marcados *

*
*
*


Busca no Blog
Sobre o Blog
Especialistas, colaboradores e parceiros do Mobilize escrevem suas impressões sobre a mobilidade urbana nas cidades europeias, de bicicleta, sobre skates, em cadeiras de rodas, correndo ou andando, no metrô, VLT, ônibus, barcos, funiculares, riquixás e outras modalidades de transporte urbano.
Com a palavra...
Mariana Falcone Mariana Falcone Guerra é arquiteta graduada e com mestrado pela FAU-USP. Atualmente está na Espanha, realizando doutorado no Centro de Inovação em Tecnologia para o Desenvolvimento Humano da Universidade Politécnica de Madri. Há mais de dez anos dedica-se à área urbanística, desenvolvendo projetos e consultorias voltadas ao desenho urbano inclusivo, e ao reforço da métrica pedestre. Acredita que a apropriação do espaço público pelas pessoas é a melhor estratégia para reforçar a segurança e a vitalidade das cidades.
Posts mais lidos
Categorias
Arquivo