Pé de Igualdade

30
September
Publicado por admin no dia 30 de September de 2014

O programa municipal de implantação de 400 km de ciclovias paulistanas – que na verdade são ciclofaixas, de acordo com o Anexo I do Código de Trânsito Brasileiro – continuam causando verdadeiro alvoroço na cidade, apesar de contarem com o apoio e aprovação de 80% da população.

 

Os que são contra utilizam-se, para apontar defeitos ao processo, das mais variadas justificativas, algumas delas tropeçando nas péssimas calçadas da cidade. Mas de alguma forma estas críticas contribuem para descobrir o manto da invisibilidade que mídia e opinião pública atiram sobre estas vias e indiretamente situam-nas no foco da discussão e do debate. Como assim? Me explico melhor:

 

Na Folha de S. Paulo de quinta-feira passada (25) uma reportagem chamava a atenção para a indiscutível dificuldade da operação de embarque e desembarque de deficientes físicos em vários locais da cidade, por conta das novas ciclovias. Mas a pergunta que não quer calar é: quantas ruas sem elas estão aptas a acomodar, com o mínimo de condições decentes e seguras, o embarque/desembarque e circulação de qualquer tipo de usuário?

 

1

 

Ao mesmo tempo me deparo com outras imagens extremamente significativas: a primeira, de um cadeirante que encontra somente na regularidade de superfície da pista destinada aos veículos condições de circular com alguma autonomia, apesar da total situação de perigo e vulnerabilidade; e a segunda, de outro cadeirante que encontra no espaço segregado e sinalizado das ciclovias uma alternativa viável e segura para fugir ao pesadelo das calçadas.

 

2

 

Como já apontei no meu post anterior, as ciclovias fazem parte de um modelo de mobilidade de primeiro mundo e vieram para ficar, e o que é principal: colaboram para trazer foco, apontado diretamente à questão da infraestrutura da Mobilidade a Pé, já que seus agentes, os pedestres e deficientes físicos, por falta de condições mínimas de utilização dos seus próprios espaços públicos, e enquanto as melhorias não vem, estão “invadindo a praia“ dos ciclistas…



Compartilhe

Comente

1 Comentário

admin
Enviado October 5, 2014 às 2:59 pm | Permalink

O comentário veio sem texto, grafada só a letra “R”. Favor reenviar.

Seu e-mail nunca é exibido. Campos obrigatórios são marcados *

*
*
*


Busca no Blog
Com a palavra...
Pe-de-igualdade Meli Malatesta (Maria Ermelina Brosch Malatesta), arquiteta e urbanista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com mestrado e doutorado pela FAU USP. Com 35 anos de serviços prestados à CET – Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo, sua atividade profissional foi totalmente dedicada à mobilidade não motorizada, a pé e de bicicleta. Atualmente, ministra palestras e cursos de especialização em Mobilidade Não Motorizada além de atuar como consultora em políticas, planos e projetos voltados a pedestres e ciclistas.
Posts mais lidos
Categorias
Arquivo
Realização
Associação Abaporu
Desenvolvimento
MSZ Solutions
Comunicação
Mandarim Comunicação
Patrocínio
Itau Allianz
Apoio
Ernst & Young
Prêmio
Empreendedor Social
Prêmio Empreendedor Social