Construindo a participação em agendas para cidades sustentáveis

A parceria entre o Instituto Arapyaú e o Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) da FGV EAESP gerou esta publicação que analisa quatro experiências de construção de agendas: Três Lagoas Sustentável, Curitiba 2035, Sobral de Futuro e Casa Fluminense.

Estudo do Instituto Arapyaú/GVces sobre cidades su

Estudo do Instituto Arapyaú/GVces sobre cidades sustentáveis

Autor: Instituto Arapyaú e GVces (FGV EAESP)

Assunto: Estudos e Pesquisas

Abrangência: Nacional

Ano: 2017

Em agosto de 2016, o Instituto Arapyaú convidou o Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVces) a investigar lições aprendidas em quatro experiências de construção de agendas locais para cidades sustentáveis, com o objetivo de levar esse conhecimento a um público mais amplo e contribuir na construção de agendas locais participativas e de longo prazo.

Na visão das duas instituições, os arranjos da governança local – entendidos como os acordos formais e informais para a construção de políticas e ações – são cruciais para a qualidade dos resultados no fomento a cidades sustentáveis, de forma a garantir inclusão social, perenidade e efetividade. E a ampla participação social, de qualidade, condição fundamental para a boa governança.

Assim, a investigação do GVces ao longo dos sete meses de projeto foi orientada a responder às seguintes provocações:

- Como construir espaços de participação urbanos efetivamente multinível e multiator em uma complexa e diversa rede de articulação social? 

- Como promover engajamento legítimo na construção de agendas para cidades sustentáveis?

- Como melhor aproximar a gestão pública da sociedade?

Em primeiro lugar, a pesquisa fez um mergulho no conceito de cidades sustentáveis, levantando o arcabouço teórico e bibliográfico sobre o tema e observando “a vida como ela é”, ao mapear mais de 200 iniciativas de instituições nacionais e internacionais que se propõem a trabalhar no tema.

O resultado foi a produção de um mosaico que aponta algumas das principais pautas de atuação. A investigação apontou também que o termo “cidades sustentáveis” responde a múltiplas interpretações e customizações, amparadas por adjetivos tais como “cidades criativas”, “cidades inteligentes” (smart cities), “cidades resilientes”.

Entendeu-se que é na governança dos processos de construção das agendas futuras de uma cidade sustentável que se dará a criação de uma narrativa condizente com a soma dos anseios e a explicitação dos conflitos entre os diferentes atores de um determinado território urbano, rumo a objetivos comuns.

Posteriormente, um mergulho em quatro experiências atuais de construção de agendas – Três Lagoas Sustentável, Curitiba 2035, Sobral de Futuro e Casa Fluminense – apoiou a investigação de aprendizados a serem compartilhados. Finalmente, foram agregadas as discussões trazidas em dois encontros com especialistas, que ajudaram a orientar a pesquisa.

Como caminhos a seguir, identificou-se a necessária conexão das agendas com políticas públicas e transversalidade; a demanda por recursos financeiros, humanos e intangíveis; a busca por equilíbrio ótimo entre diálogo inclusivo e conhecimento técnico; e a oportunidade de incremento do capital social e das capacidades por meio de transparência e monitoramento.

Arquivos
Download
Participação em agendas para cidades sustentáveis
Publicação em parceria entre Instituto Arapyaú e Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) da FGV EAESP analisa quatro experiências de construção de agendas: Três Lagoas Sustentável, Curitiba 2035, Sobral de Futuro e Casa Fluminense

 Voltar

Outros Estudos

Ver todos os estudos

  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário