"Fumantes passivos" da poluição do ar

No mundo todo, as emissões veiculares só pioram a qualidade do ar, com efeitos deletérios à saúde de pedestres e ciclistas. Como as cidades vêm controlando a poluição?

Notícias
 

Fonte: Mobilize Brasil  |  Autor: Jeniffer Felício Abegão*  |  Postado em: 10 de janeiro de 2018

A poluição e seus

A poluição e seus "ites": sinusite, rinite, amidalite...

créditos: Tobias Bullrich (insta: @tobabullrich)

Há dois meses li uma notícia que me deixou chocada. As escolas na capital da Índia, Nova Délhi, foram fechadas devido ao alarmante nível de poluição atmosférica. Para se ter ideia, se você passasse o dia todo nessa cidade provavelmente teria fumado o equivalente a 50 cigarros (pasme!). Bem, confesso que já vi escolas pararem por nevascas, greves, mas por poluição foi a primeira vez!

No geral, a qualidade do ar está se deteriorando em todo mundo, e isso se deve sobretudo à quantidade massiva de veículos automotores circulando nas cidades.

Causa e efeito
O transporte individual ainda é o grande responsável pelas emissões de gases do efeito estufa (GEE) nos conglomerados urbanos. Na capital paulistana, por exemplo, representa 73% do total das emissões. Segundo a agência ambiental da ONU, a poluição do ar nas cidades aumentou 8% de 2008 a 2013.

Em São Paulo, áreas importantes para caminhar ou pedalar, como o parque Ibirapuera e a cidade universitária, merecem atenção especial em razão da alta concentração de ozônio (O3). Apesar de o ar nesses lugares parecer mais “limpo” por ser rodeado pela natureza, na verdade, pelo fato de estarem localizados perto dos grandes centros, e dependendo do horário e das condições atmosféricas, podem registrar concentrações de ozônio bem altas. Os efeitos deletérios sobre a saúde humana aparecem principalmente nas vias aéreas, agravando sintomas de asma e os “ites” da vida (amidalite, rinite, sinusite etc.).

Controle de poluentes
São Paulo tem 17 pontos de coleta espalhados pela cidade, onde são monitorados os poluentes presentes na atmosfera, tais como o material particulado (MP), o monóxido de carbono (CO) e a fumaça. Para uma cidade grande como a capital paulista é muito pouco. Lugares como o Minhocão (elevado presidente João Goulart) e outros na região central precisariam de monitoramento contínuo de poluentes em razão do intenso fluxo de veículos. Há inúmeras pessoas que moram bem de frente do viaduto e enfrentam diariamente os malefícios causados pela constante poluição difusa. Outro aspecto importante é que o limite máximo de concentração de partículas inaláveis permitido pela nossa legislação é mais brando do que o recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e isso pode dar a falsa impressão de que a qualidade do ar não está assim tão ruim. 

Com um bom mapeamento da mancha de poluição, poderíamos verificar quais pontos da cidade exigem mais atenção dos pedestres e ciclistas, de modo a permitir que estes desviem suas rotas, prevenindo maior contato com a poluição. As coletas poderiam ser feitas inclusive pelos ciclistas, por meio de equipamentos fixados em suas bikes, ou até mesmo por táxis urbanos, que rodam a cidade inteira.

Bons exemplos
A cidade de Santiago, no Chile, velha conhecida no ranking das cidades mais poluídas, tem investido em modais que priorizam sistemas de transporte público para melhorar seu ar urbano. Na América do Norte, a cidade canadense de Calgary, por exemplo, estipulou metas agressivas para diminuir o consumo de recursos naturais, e promoção de infraestrutura e economia de baixo carbono. 

Se cuide!
Sabemos que o ciclismo e outras atividades físicas aumentam o ar inalado, então é importante se cuidar! Evite fazer exercício durante horas mais quentes do dia, hidrate-se bastante e coma muitas frutas e vegetais ricos em antioxidantes, pois estes neutralizam os efeitos da poluição do ar no corpo. 

 

*A engenheira ambiental Jeniffer Abegão é apaixonada pelo tema da sustentabilidade. Tanto que ela faz parte da Comissão de Desenvolvimento Sustentável de sua comunidade e também é voluntária da Fundação Alphaville. No Mobilize, Jeny vai mostrar a cidade sob a ótica da mobilidade sustentável, como você nunca viu. Para conhecer mais do seu trabalho, visite o seu blog, o GerminAÇÃO.  


Leia também:
De frente ou de costas para os rios?
Se o rio muda de curso, poderá mudar o curso da história



  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Enquetes
Enquete Você deixaria o carro em casa, e até o transporte público, se as calçadas de sua cidade fossem melhores para caminhar?