Barcas cariocas: prejuízo de R$ 156 milhões e tarifas a R$ 8,00

CCR Barcas alega desequilíbrio operacional e devolve concessão. Governo garante manter o serviço e pode entrar na Justiça

Notícias
 

Fonte: O Dia  |  Autor: Daniel Pereira  |  Postado em: 14 de outubro de 2015

Barcas carioca: prejuízo de R$ 156 milhões

Com prejuízoa, barcas do Rio sobem tarifa para R$ 8

créditos: Alexandre Vieira/ Agência O Dia

 

A parceria da CCR Barcas com o governo estadual pode terminar na Justiça e gerar um rombo de R$ 156 milhões nos cofres públicos. A questão foi adiantada pela reportagem de O Dia em março deste ano, mas agora a relação foi por água abaixo de vez. É que a concessionária formalizou o pedido de entrega do modal aquaviário, decisão sem precedentes no país. Os próximos capítulos desta novela versarão com um fato: para ter equilíbrio operacional, a passagem deveria subir dos atuais R$ 5 para R$ 8.

 

Achou muito? Então, se fossem feitas as melhorias previstas no sistema, o valor alcançaria a marca dos R$ 10. De acordo com os números da agência reguladora, a Agetransp, o preço da passagem está defasado faz tempo. Em 2013 o valor de equilíbrio seria de R$ 6,90.

 

Mas não é só isso. A Agetransp confirma o prejuízo da CCR na concessão. Além dos R$ 156 milhões que foram pelo ralo, o grupo ainda investiu outros R$ 72 milhões na compra da concessão. Dito isso, a pergunta que não quer calar é: quem vai pagar esta conta?

 

Especialista em Mobilidade Urbana da Uerj, Alexandre Rojas tem a resposta. “Era claro que isso ia acontecer. Agora só existem duas opções: ou a passagem vai subir ou o estado vai arcar com este prejuízo. Não tem para onde correr. E vai acontecer o mesmo com a Supervia”, garante.

 

O secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, disse que o diálogo com a concessionária vem acontecendo há meses. Por enquanto, a questão está sendo tratada no campo administrativo, mas a aliança amorosa que aconteceu há três anos pode mesmo é acabar na Justiça.

 

“A Casa Civil e a Procuradoria Geral do Estado estão estudando uma solução. Mas, por enquanto, o que temos de concreto é que o serviço não deixará de ser prestado. A população pode ficar tranquila em relação a isso”, disse.

 

Osório ressaltou que o contrato de concessão não permite rompimento unilateral e que ele tem duração até 2023. Ele foi enfático ao admitir que o documento não é bom para ninguém. Ainda segundo o secretário, a Agetransp e o governo estadual vão contar com o apoio da Fundação Getúlio Vargas. Mas foi a própria instituição que sinalizou a defasagem das tarifas.

 

CCR Barcas não deixa claro se participará de novo leilão
A CCR Barcas informou que pediu ao governo o distrato amigável do atual contrato de concessão com fundamento em estudo feito pela FGV, que apontaria o desequilíbrio econômico-financeiro da operação do sistema. Mas o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, rebate que “não foi só isso”.


Segundo ele, a carta enviada à Secretaria evidencia o desejo de entregar a concessão por uma decisão operacional. “O que ficou claro é que eles não querem mais, de jeito nenhum”, contou.

 

Agora a CCR Barcas aguarda decisão do governo. Enquanto isso, mantém a operação do transporte diário de mais de cem mil passageiros. A concessionária é a quarta maior empresa de transporte aquaviário do mundo. Ela não se pronunciou sobre a possibilidade de participar de uma nova licitação, informando apenas que espera que “o Poder Concedente conclua a etapa necessária para a construção de uma nova proposta de contrato” e um novo leilão.

 

Leia também:

Governo desiste de BRT e confirma metrô entre Niterói e São Gonçalo
Nova barca Rio-Niterói está se tornando um elefante branco
Aumento do número de motos e bicicletas elétricas tira a paz de Paquetá (RJ)


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Enquetes
Enquete Você deixaria o carro em casa, e até o transporte público, se as calçadas de sua cidade fossem melhores para caminhar?