Ciclistas em SP reclamam de ciclofaixas apagadas e sem sinalização

Prefeitura diz que são obras de requalificação das vias para bicicleta. Mas deixa trechos sem sinalização, o que expõe os ciclistas a se arriscarem na faixa dos carros

Notícias
 

Fonte: O Estado de S. Paulo  |  Autor: Renata Okumura  |  Postado em: 12 de setembro de 2019

Ciclovia degradada, na ponte da Vila Guilherme, zo

Ciclovia degradada, na ponte da Vila Guilherme, zona norte

créditos: Mobilize Brasil

Ciclistas que utilizam ciclofaixas na capital paulista foram surpreendidos nos últimos dias com a ausência da área destinada às bicicletas em ruas e avenidas da cidade. A Prefeitura informou que iniciou obras de requalificação e que o programa não será desativado. Disse ainda que, após a aplicação do novo asfalto, as ciclofaixas ganharão nova pintura.

 

Dos 503,6 km de infraestrutura cicloviária, 310 km passarão por obras. Além disso, o plano de metas do município prevê a criação de 173 km de conexões entre ciclofaixas até 2020.

 

Quem utiliza a ciclofaixa da Rua Artur de Azevedo, em Pinheiros, na zona oeste da cidade, relata os riscos com a falta de sinalização.

 

O ciclista Luiz Felipe Silva dos Santos, de 25 anos, que utiliza a bike para realizar entregas para uma farmácia da região, precisou desviar de carros. Na segunda-feira (9), muitos veículos estavam transitando pela faixa que havia sido asfaltada.

 

Ciclista sob risco

“Colocaram asfalto e apagaram a ciclofaixa. Na segunda, quando cheguei na Artur de Azevedo, dividi espaço com os carros. Foi perigoso. Não havia cones e nem sinalização”, reclamou.

 

Conforme apurou a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, cones foram observados na terça-feira (10), entre as ruas Henrique Schaumann e Fradique Coutinho. Assim, mesmo sem a pintura, ciclistas conseguiram utilizar a ciclofaixa asfaltada. No entanto, após esse trecho, sem cones e sinalização, carros invadiam a faixa recapeada.

 

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT), por meio da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), informou que iniciou obras de requalificação nas seguintes ciclofaixas da cidade de São Paulo:


Ciclofaixa George Corbisier – Jabaquara

Ciclofaixa Bosque da Saúde – Vila Mariana

Ciclofaixa Saúde e Aratãs – Vila Mariana

Ciclofaixa Jupatis – Jabaquara

Ciclofaixa Corifeu de Azevedo Marques a Lapa

Ciclofaixa Artur Azevedo – Pinheiros

Ciclofaixa Gomes de Carvalho – Pinheiros

Ciclofaixa Jaguaré (Rua Antônio S. Noschese) – Lapa

Ciclofaixa Alameda Nothmann – Centro

Ciclofaixa Parque Novo Mundo – Vila Guilherme

 

Ainda de acordo com a Prefeitura, a requalificação prevê raspagem do asfalto antigo e a aplicação de uma nova camada asfáltica. “Após o recapeamento será implementada a nova sinalização, que prevê pintura em vermelho aplicada apenas na aproximação das travessias, proporcionando maior atenção dos ciclistas aos cruzamentos”, destacou em nota.

 

Segundo a Prefeitura, após pintura com o novo padrão de sinalização, serão instalados tachões a cada metro, para garantir mais segurança aos usuários.

 

Cobranças

O ciclista Luiz Felipe Silva dos Santos conta que observa diariamente problemas nas ciclofaixas. “No Alto de Pinheiros, há buracos e muitos estão com a pintura apagada. Além disso, algumas árvores invadem a via e batem em nossas cabeças. Há ainda locais que deveriam, mas ainda não têm ciclofaixas”, disse.

 

Atualmente, a cidade conta com 503,6 km de infraestrutura cicloviária. Desse total, 310 km passarão por obras, conforme o plano de metas da prefeitura, que prevê ainda a criação de 173 km de conexões.

 

O pintor Israel Wallace, de 50 anos, frequenta a região há 16 anos e critica a ausência de sinalização. Uma faixa informando a realização da obra na via foi colocada somente na terça-feira (10). O recapeamento foi feito dois dias antes, no domingo (8).

 

“A mudança começou, mas ninguém informou com antecedência. Na segunda-feira, quem utiliza a ciclovia com frequência precisou andar entre os carros. A Prefeitura colocou cones na terça, mas dá para ver que alguns já foram derrubados pelos carros”, ressaltou.

 

O engenheiro Leopoldo Espírito Santo, de 58 anos, avalia que corredores como o da Faria Lima e da Berrini são bem estruturados. “Todas as ciclovias deveriam ser desta forma. Bem sinalizadas e com pouco contato com carros. O ciclista anda tranquilamente”, disse.

 

Questionada sobre a falta de aviso, a Prefeitura afirma que as vias que passam por requalificação de suas ciclofaixas recebem faixas informando sobre as melhorias em curso.

 

O consultor em mobilidade urbana e autor do Blog São Paulo na bike do Estadão, Alex Gomes, afirma que a Prefeitura também retirou o asfalto da ciclofaixa da Alameda Northmann, na região central. “Muitas mães levam crianças de bicicleta nessa região para a creche. Faz alguns dias que passei pelo local. Sem sinalização e asfalto, o risco de queda é ainda maior. Desta forma, os ciclistas ficam desamparados”, avaliou.

 

Leia também:
São Paulo suspende ciclofaixas de lazer
Mortes de ciclistas em SP crescem 220% e batem recorde
São Paulo lança metas, incluindo transporte público e ciclovias
São Paulo não amplia malha cicloviária desde 2016
40% das ciclovias e ciclofaixas de SP têm problemas, aponta auditoria


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.