Palavra de Especialista

29
September
Publicado por admin no dia 29 de September de 2016

Ilustração criada por Bolero Comunicação, de Fortaleza-CE

 

A calçada é elemento de ligação entre todas as atividades urbanas. Toda a mobilidade urbana começa ou termina nela. Segundo a pesquisa de Origem/Destino do Metrô (2007), 34% das viagens (com mais de 500m de percurso) são realizadas por modo não motorizado. E se forem incluídas as viagens de pequeno percurso, certamente, andar a pé é o modo de transporte predominante em São Paulo.

 

A Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana confere prioridade aos modos não motorizados sobre os motorizados nas vias e o Código de Trânsito Brasileiro define as calçadas como parte integrante do sistema viário da cidade. Nessas condições, fica evidenciada a importância das calçadas pela função e pelo caráter de equipamento urbano imprescindível.

 

Embora, a rede de calçadas seja fundamental para os deslocamentos diários das pessoas, não oferece condições satisfatórias de conforto e segurança para os seus usuários. A Prefeitura planeja, implanta, opera e fiscaliza as pistas por onde circulam os transportes motorizados, incluindo as faixas de pedestres, mas deixa as calçadas por conta dos proprietários dos imóveis lindeiros. Em decorrência, o alinhamento resultante das calçadas não tem continuidade na largura e no perfil longitudinal, acomodando-se mais aos nivelamentos das soleiras de cada imóvel que à continuidade da rede. Os acabamentos dos pisos, executados por diferentes proprietários, não são homogêneos, como também a regularidade de manutenção, dificultando a circulação dos pedestres, carros de bebê e cadeiras de roda. Muitas vezes é mais fácil andar pela pista, em conflito com os automóveis, que pelas calçadas.

 

Mesmo os projetos das edificações não contribuem para melhorar a situação, pois não contemplam a rede de calçadas, nem a prefeitura assim o exige nos projetos submetidos à sua aprovação. As calçadas são executadas mais como acabamento entre o terreno e a pista que como componente do sistema de transporte da cidade. Agravando esse quadro, muitas calçadas têm largura insuficiente para circulação de cadeirantes, ou para atender à demanda de pedestres. O alargamento das calçadas não está no âmbito da competência dos proprietários de imóveis lindeiros. Somente a Prefeitura pode efetuar alargamentos, avançar sobre a pista, e executar as obras nos logradouros públicos.

 

A Prefeitura precisa assumir os custos ou a responsabilidade pela rede de calçadas em toda a cidade, corrigir as deficiências relativas à homogeneidade e capacidade, bem como operar e fiscalizar as calçadas como o modo de transporte mais importante para a população. Missão difícil, mas imprescindível.

 


Por Ivan Metran Whately
, engenheiro de transporte e Coordenador da Divisão Técnica de Transporte Metropolitano do Instituto de Engenharia


Tags:

Sobre o autor

Compartilhe

Comente

Seu e-mail nunca é exibido. Campos obrigatórios são marcados *

*
*


Busca no Blog
Com a palavra...
Olímpio Alvares Olímpio Alvares escreve e convida especialistas em mobilidade urbana a compartilhar opiniões e comentar os assuntos em destaque no noticiário nacional e internacional.
Olimpio é engenheiro mecânico pela Escola Politécnica da USP, diretor da L'Avis Eco-Service, especialista em transporte sustentável, inspeção técnica, emissões veiculares e poluição do ar. Atuou durante 26 anos na área de controle de emissões veiculares da Cetesb, concebeu o Projeto do Transporte Sustentável do Estado de São Paulo, o Programa de Inspeção Veicular e o Programa Nacional de Controle de Ruído de Veículos. É fundador e secretário executivo da Comissão de Meio Ambiente da ANTP; diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Sobratt; assistente técnico do Proam; consultor do Banco Mundial, do Banco de Desenvolvimento da América Latina, (CAF) e entre outros órgãos públicos e organizações da sociedade civil, como o Mobilize Brasil.
Sobre o Blog
Palavra de Especialista reúne artigos assinados por arquitetos, engenheiros, economistas, administradores públicos especializados em transportes que possam contribuir para a difusão de conhecimentos sobre mobilidade urbana sustentável. Os artigos são selecionados pelo especialista Olímpio Alvares.
Posts mais lidos
Categorias
Arquivo
Realização
Associação Abaporu
Desenvolvimento
MSZ Solutions
Comunicação
Mandarim Comunicação
Patrocínio
Itau Allianz
Apoio
Ernst & Young
Prêmio
Empreendedor Social
Prêmio Empreendedor Social