Palavra de Especialista

02
dezembro
Publicado por admin no dia 02 de dezembro de 2016

Um pesquisador perguntou a uma professora da rede pública da periferia de São Paulo por qual motivo ela não caminhava até a escola onde lecionava, já que a distância de apenas 2 km de sua casa não justificava qualquer modo de transporte motorizado. A resposta foi simples: porque já fora assaltada duas vezes.

A insegurança pública, consequência natural de cidades excludentes, juntou-se à insegurança viária como fator definidor de escolha: muita gente não caminha “apenas” por falta de calçadas (ou calçadas ruins), mas por medo de ser assaltada ou assediada. A opção pela bicicleta, outro modo afetado pela insegurança nas cidades, vê-se vítima hoje da junção do risco do acidente ao medo da violência decorrente de furtos.

 

As mulheres adultas e as meninas sofrem mais por conta do assédio. Pesquisa recente, encomendada pela organização não-governamental ActionAid, mostra que o Brasil apresentou o pior resultado entre quatro países (Brasil, Tailândia, Índia e Reino Unido): quase nove de cada dez mulheres adultas no país, moradoras de áreas urbanas, sofreram algum tipo de assédio. O levantamento aponta também que está no Brasil a maior percentagem de mulheres que sofreu o primeiro assédio antes mesmo dos 10 anos de idade. Como consequência, muitas dessas brasileiras recorreram a estratégias para se protegerem: 17% passaram a evitar o transporte público. À má qualidade do transporte soma-se agora o medo de ser assediada.

 

A violência é uma das facetas mais visíveis de cidades que decidiram alargar ruas ao invés de melhorar e ampliar suas calçadas. São cidades que optaram por desenhos urbanos que privilegiam o isolamento no automóvel ao invés de estimular e permitir o encontro de pedestres. A agorafobia tornou-se (não é de hoje) a doença do cidadão moderno: temos medo de estar em espaços abertos ou entre pessoas que não conhecemos.

 

Junte-se a isso a pressa urbana e teremos uma cidade hostil. Uma cidade impermeável e obstaculizada, sem locais de encontro ou convivência, sem opções de lazer e descanso para idosos, nem local onde crianças possam circular e brincar. As consequências para a saúde – física e mental – são evidentes e já mensuráveis.

 

As crianças tornam-se as maiores vítimas. Uma pesquisa realizada pela agência de pesquisa de marketing Edelman Berland, que analisou a rotina de mais de 12 mil crianças em dez países (entre fevereiro e março de 2016) – dentre os quais o Brasil –, aponta que 56% das crianças passam uma hora ou menos brincando ao ar livre; 20% passam 30 minutos ou menos; e 10% nunca brincam fora de casa. Qual o resultado desse confinamento no crescimento infantil?

 

Uma cidade onde as pessoas não se encontram, não conversam, não trocam experiências, nem possuem locais de convivência e lazer, é a cidade que privilegia a exclusão, que prescinde do humano como fator de animação. Os espaços públicos se tornaram domínios de segregação e exclusão. Não há misturas de hábitos, nem de culturas. Os iguais preferem se reunir em busca de uma vivência privada e de sua autoproteção. O diferente torna-se inimigo, algo a ser excluído e apartado e contra quem se devem erigir barreiras de segurança.

 

Philip Yang, fundador do Urbem (Instituto de Urbanismo e Estudos para a Metrópole), ressalta o significado do termo inglês Nimby - iniciais de “Not in My Backyard” (no meu quintal, não). Philip conta que a língua inglesa define Nimby “como a atitude de oposição ao estabelecimento de algo tido como indesejável ou perigoso nas cercanias de onde residem os reclamantes”. Ele cita o recente caso de moradores de Higienópolis, bairro em São Paulo, que se opuseram à implantação de estações de metrô em sua vizinhança. É o apartheid social, uma força crescente no processo de urbanização das cidades brasileiras. É a negação à cidade humana e amigável; logo, um estímulo à violência e à intolerância.

A dicotomia entre o óbvio a fazer - ditada pelo conhecimento – e o nada a fazer, aconselhada pelo frágil equilíbrio de forças políticas sem representatividade, tem tornado nossas cidades cada vez mais inviáveis. Soa estranho ouvir técnicos e políticos de outros países contarem como conseguiram alterar o perfil de cidades mundo afora. E como conseguiram produzir cidades amigáveis recuperando, alterando e democratizando o uso dos espaços públicos. O contraste com as escolhas que nossos gestores fizeram ao longo de décadas – e insistem em manter intactas – é brutal.

 

Quando o arquiteto dinamarquês Jan Gehl afirma que o planejamento urbano deve ajudar a “criar cidades para as pessoas e a escala humana deve ser a prioridade”, aplaudimos entusiasmados. Mas nossa realidade escancara nossa incapacidade irremovível de produzir mudanças em nossas próprias cidades que, muitas vezes, são pontuais, apesar de emblemáticas. O que temos feito para melhorar a vida na cidade de idosos, crianças, gestantes e deficientes? Por que as cidades excluem os mais vulneráveis, optando por priorizar justamente quem menos precisa de apoio e proteção?

 

O ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, disse certa feita que o serviço público lhe oferecera “a incrível oportunidade de fazer a mudança real onde você vive, de impactar a vida de milhões de cidadãos e de transformar as ideias dentro das cabeças de burocratas do governo sem inspiração”.

 

Caberia ao político realizar a mediação entre a técnica e os anseios dos cidadãos, em busca de cidades amigáveis, sem exclusões. O que se vê é o oposto – a política perdeu sua capacidade de canalização e gestão das demandas sociais, e optou por privilegiar grupos de interesse (a maioria escusos e excludentes) em lugar dos interesses comuns à maioria dos habitantes das cidades. As composições politicas – feitas por representações que já não mais representam, sacrificam a técnica, subvertendo o conhecimento acumulado em benefício de privilégios há muito superados em inúmeras cidades mundo afora. A questão da velocidade em detrimento da segurança é um exemplo único e poderoso.

 

Não é de hoje que as pessoas vêm buscando exílio na reclusão, negando o convívio mútuo, dado essencial de qualquer ajuntamento humano. A esfera do privado como local seguro tem se contraposto aos espaços públicos nas cidades (locais de risco e perigos). Espaços que deveriam ser abertos a todos têm se tornado fatores de ameaça constante, servindo de falacioso argumento para replicar espaços de reclusão e encapsulamento: condomínios fechados; apartamentos com aparatos modernosos de segurança; escolas particulares e shoppings privados (um veto à socialização); carros imponentes e com vidros escuros, como uma extensão pelas ruas das próprias moradias.

 

Qualquer projeto de mobilidade urbana deve partir dessas reflexões: como tornar a cidade melhor para os cidadãos mais vulneráveis? Parece óbvio que uma cidade boa para crianças e idosos será sempre uma cidade boa para todos.

 

Insegurança pública e mobilidade urbana são inimigas brutais. Quanto mais violenta a cidade, mais carros se espremerão nas ruas a exigir mais e mais espaços de ruas e menos cuidados com as calçadas; mais pessoas irão se encapsular em condomínios e shoppings renunciando ao uso livre e coletivo da cidade. O resultado final nós já temos ao alcance da vista. Ainda é possível evitar o pior.


* Texto originalmente publicado como editorial do portal da ANTP – Associação Nacional de Transportes Públicos. O autor é o jornalista Alexandre Pelegi



Sobre o autor

Compartilhe

Comente

Seu e-mail nunca é exibido. Campos obrigatórios são marcados *

*
*


Busca no Blog
Com a palavra...
Thiago Guimarães O Mobilize Brasil com apoio da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) convida especialistas em mobilidade urbana a compartilhar opiniões e comentar os assuntos em destaque no noticiário nacional e internacional.
Sobre o Blog
Palavra de Especialista reúne artigos assinados por arquitetos, engenheiros, economistas, administradores públicos especializados em transportes que possam contribuir para a difusão de conhecimentos sobre mobilidade urbana sustentável. Os artigos são selecionados pelo jornalista Alexandre Pelegi, editor da Revista dos Transportes Públicos.
Posts mais lidos
Categorias
Arquivo
Realização
Associação Abaporu
Desenvolvimento
MSZ Solutions
Comunicação
Mandarim Comunicação
Patrocínio
Itau Allianz
Apoio
Ernst & Young
Prêmio
Empreendedor Social
Prêmio Empreendedor Social