Pé de Igualdade

26
February
Publicado por admin no dia 26 de February de 2018

Duas notícias antagônicas sobre o cuidado do poder público com a vida dos cidadãos

 

De vez em quando calha da gente se deparar, num mesmo momento, com duas notícias antagônicas. Elas servem para mostrar como é ampla a gama de abordagem e solução dada às situações que enfrentamos no nosso cotidiano. Estas oportunidades também servem para se constatar a lógica e a justiça da vida em sociedade de cada local, refletidas nas soluções adotadas. Temos aqui dois exemplos.

 

O primeiro deles é a deliciosa notícia da adoção de velocidades de 30 km/h no máximo, além da colocação em prática de outras medidas acalmadoras do tráfego em Madri, na Espanha. Tudo isso possibilita a realização do sonho de qualquer pessoa que anda a pé.

 

E este sonho é o de ter o direito de prosseguir em seu trajeto de caminhada como quiser, atravessando onde bem entender. Com essas medidas, Madri conseguiu atingir este estado de excelência de qualidade de vida, civilização e cidadania.

 


Com o acalmamento do tráfego pedestres poderão atravessar onde quiserem em Madri 

 

Por outro lado, no mesmo dia nos deparamos com uma outra notícia, que é exatamente o oposto da anterior: a sanção de uma lei, a 16.830/2018. Ela “dispõe sobre a instalação de placas de alerta em locais com alta incidência de acidentes de trânsito, no âmbito do Município de São Paulo, e dá outras providências.”

 

Uma placa assim faz sentido? Foto: G1

Assim, o processo de aprovação e sanção desta lei supostamente entende que irão melhorar a vida dos munícipes, alertando-os que correm risco de se acidentarem em determinados cruzamentos da cidade. E isto ocorre porque estes locais já possuem altos índices de acidentes de trânsito. E este alerta ocorrerá por meio de sinalização específica, ou seja, placas pagas com o dinheiro dos cidadãos.

Agora pergunto: qual é a serventia de tal medida? Não seria mais lógico cobrar e esperar do órgão competente – ou seja, da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transporte, através da Companhia de Engenharia de Tráfego – providências para que acidentes não ocorram nestes locais?

Seria esta uma forma reversa que o poder público encontrou para se eximir de culpa no caso de vidas comprometidas e perdidas na violência do trânsito?

 

Leia também:
Multar o pedestre vai mesmo melhorar a segurança no trânsito?
Devorando a Big Apple – Pé de Igualdade em Nova York
A hora e a vez do pedestre passar: Quando?

 



Compartilhe

Comente

Seu e-mail nunca é exibido. Campos obrigatórios são marcados *

*
*
*


Busca no Blog
Com a palavra...
Pe-de-igualdade Meli Malatesta (Maria Ermelina Brosch Malatesta), arquiteta e urbanista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com mestrado e doutorado pela FAU USP. Com 35 anos de serviços prestados à CET – Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo, sua atividade profissional foi totalmente dedicada à mobilidade não motorizada, a pé e de bicicleta. Atualmente, ministra palestras e cursos de especialização em Mobilidade Não Motorizada além de atuar como consultora em políticas, planos e projetos voltados a pedestres e ciclistas.
Posts mais lidos
Categorias
Arquivo
Realização
Associação Abaporu
Desenvolvimento
MSZ Solutions
Comunicação
Mandarim Comunicação
Patrocínio
Itau Allianz
Apoio
Ernst & Young
Prêmio
Empreendedor Social
Prêmio Empreendedor Social