Incêndios criminosos ameaçam o transporte público no país

Violência leva empresas a pedir ajuda ao governo. Segundo a NTU, de 1987 até hoje já são quase 5 mil ônibus queimados no Brasil. Só neste mês foram 23, sendo 15 no Ceará

Notícias
 

Fonte: NTU/ Assessoria  |  Autor: Mobilize Brasil/ NTU  |  Postado em: 18 de janeiro de 2019

Ônibus incendiado em 2017 no Rio de Janeiro

Ônibus incendiado em 2017 no Rio de Janeiro

créditos: Fernando Frazão/ Agência Brasil

 

Os incêndios criminosos de coletivos urbanos, que ameaçam o transporte público há décadas, estão causando uma preocupação crescente entre as empresas do setor: a recente onda de violência em Fortaleza (CE) já reduziu a cinzas 15 ônibus; desde o início do ano já foram queimados 23 coletivos em todo o país. A escalada da violência motivou a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) a procurar o governo para pedir medidas mais duras contra esse tipo de crime.

 

Para mostrar a gravidade da situação, a NTU entregou ao governo federal nesta quinta-feira (17) uma publicação com o histórico dos casos de incêndios a ônibus desde 1987 até os dias de hoje. O material foi recebido pelo general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). O general Heleno reiterou a preocupação do governo com o problema e disse que estão sendo tomadas as providências cabíveis. 

 

“Não podemos mais conviver com essa violência e impunidade que coloca em risco a vida de passageiros, motoristas e cobradores, além de gerar prejuízos financeiros ao setor e danos irreparáveis à sociedade, que sofre os efeitos da falta do transporte para realizar as tarefas do dia a dia”, alerta o presidente executivo da NTU, Otávio Cunha. Ele destacou que esse tipo de ação criminosa já causou a morte de 20 pessoas e queimaduras graves em outras 62, segundo o levantamento.

 

A publicação "Fogueiras da Insensatez – por que queimam os ônibus no Brasil", produzida pela NTU em parceria com a Confederação Nacional do Transporte (CNT), traz um apanhado histórico das ocorrências de queima de ônibus em todo o país, com depoimentos e números que mapeiam os crimes. “Além da ameaça contra a vida, esses atos comprometem um bem público e um serviço essencial, reconhecido pela Constituição Brasileira como um direito social”, lamenta Cunha. 

 

Segundo a publicação, esse tipo de violência causou a destruição de 4.330 ônibus entre 1987, quando essa prática teve início, e julho de 2018. Além das vítimas fatais e feridos graves, a queima de ônibus priva as comunidades de transporte (a reposição dos veículos leva vários meses) e gera graves prejuízos econômicos, já que não há cobertura de seguro para esse tipo de sinistro e as empresas têm que arcar integralmente com os custos envolvidos.

 

Leia também:
Cinco pontos para melhorar o transporte público no Brasil
Transporte em SP: mais caro e sem melhorias
Lotação no transporte, maior problema de quem anda com criança
Problemas do transporte público já somam mais de 150 anos
Apps do tipo "juntos" podem destruir o transporte público?


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.