Transporte marítimo em Florianópolis: ainda falta fabricar as barcas

Intenção é ter ligação Ilha-Continente até o fim do ano. Mas uma das barcas só ficará pronta em fins de janeiro, diz fabricante. E falta integrar com o transporte público

Notícias
 

Fonte: DC  |  Autor: Marcus Bruno e Anderson Silva  |  Postado em: 07 de novembro de 2018

Catamarãs do serviço ainda estão em fase de montag

Catamarãs do serviço ainda estão em fase de montagem

créditos: Deter

Até o final do ano, o governo de SC pretende implantar o transporte marítimo na ligação Ilha-Continente, na Grande Florianópolis. Os pontos de embarque e desembarque estão definidos: ficarão nos fundos da passarela Nego Quirido, no centro da capital, e na região da Ponta de Baixo, no município de São José.

Mas, para que esse prazo seja cumprido, ainda há problemas a resolver. O primeiro deles, conforme admitiu nesta terça-feira (6) o proprietário da empresa responsável por operar os catamarãs, refere-se à entrega das embarcações. 

O problema no momento, afirmou Raul Machado, da empresa que fabricará os catamarãs, a BB Barcos, é de ordem técnica. Duas embarcações, com 190 lugares cada, estão previstas para fazer o trajeto diário entre São José e a Capital, na primeira fase do projeto. Acontece que só uma delas deverá ficar pronta até janeiro, avisou o empresário. A outra barca, explicou, apenas no final do primeiro mês de 2019. 

Preço e integração
Outra questão não resolvida é a falta de integração tarifária e física entre as embarcações e o sistema de transporte coletivo. Segundo Machado, as negociações ainda estão em andamento com o Consórcio Fênix para a implantação de uma linha de ônibus circular entre o Terminal Integrado do Centro (Ticen) e o trapiche atrás da passarela Nego Quirido. A informação foi confirmada pelo secretário de Mobilidade Urbana de Florianópolis, Marcelo Silva, em entrevista a Rádio CBN.

"O edital de licitação de 2014 me dá a prerrogativa de ampliar, extinguir ou criar novas linhas também. Então se tivermos o transporte marítimo, não há impossibilidade nenhuma de eu criar uma linha circular passando próximo ao local, pegando aqueles passageiros e trazendo para o terminal de integração. A prefeitura tem essa prerrogativa", declarou Silva.

Para o dono das embarcações, o valor pago pelo usuário que sair de São José para entrar na Ilha ficará em torno de R$ 24, se for somado os R$ 9 previstos pela passagem de barco, mais as tarifas de ida e volta em São José. Mas, para isso ocorrer, será necessária a integração tarifária na Ilha. Raul Machado diz que pretende instalar ainda bases para passageiros em outros pontos de São José e Palhoça. O assunto será discutido com as prefeituras das duas cidades.

Obra no trapiche
Na semana que vem devem ser começadas as obras de recuperação do trapiche no lado Insular, informou o empresário da BB Barcos. Já no ponto de embarque e desembarque da região Continental não serão necessárias intervenções, disse ainda. 

Licenças
Outra etapa antes de dar início ao novo transporte por mar é a aprovação de todas as licenças necessárias. Na terça (6), o presidente do Departamento de Transportes e Termianis de SC (Deter), Fulvio Brasil, se reuniu com o Instituto de Meio Ambiente (IMA) para protocolar o pedido de licença ambiental de instalação. Depois ainda será necessária a licença de operação, também do IMA. Por último, a Marinha precisa emitir um documento autorizando o tráfego de veículos na Baía Sul.

Leia também:
Catamarã com 180 lugares ligará cidades da Grande Florianópolis
Projeto em Florianópolis quer resgatar relação da cidade com o mar
Um "táxi aquático" que desliza sobre a água
Barco é alternativa de mobilidade em Florianópolis


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.