Um perfil dos "barões" do transporte público em São Paulo

Fábricas de ônibus, metrô e autopeças fazem parte do império dos donos de ônibus. Ex-padeiros e perueiros dominam transporte público em SP e em outras cidades do país

Notícias
 

Fonte: Folha de S. Paulo  |  Autor: Artur Rodrigues e Fabrício Lobela  |  Postado em: 02 de agosto de 2019

Ônibus urbanos em São Paulo

Ônibus urbanos articulado circula em São Paulo

créditos: Divulgação Mercedes Benz

Da carroceria do ônibus ao banco que financia novos veículos, os negócios dos "barões do transporte" de São Paulo vão bem além das linhas que levam 7 milhões de passageiros por dia. Além de dominar quase toda a cadeia relacionada aos ônibus, os donos das viações expandiram os negócios para outras áreas, que incluem concessão do metrô paulistano e até time de futebol. 

 

O silêncio é uma marca de um setor que, durante muito tempo, foi descrito pejorativamente como a "máfia" do transporte paulistano. Ao longo das últimas semanas, os jornalistas Artur Rodriguese Fabrício Lobela, do jornal Folha de S. Paulo, conversaram com empresários, políticos e especialistas para entender como se organizam os clãs que detêm as concessões de ônibus na capital. 

 

Nesse cenário, o empresário José Ruas — que começou com uma padaria e cresceu até se tornar quase onipresente no setor — passou a diminuir sua participação. Se, no ano passado, o sobrenome Ruas aparecia na composição acionária de ao menos seis empresas, em 2019, está apenas em uma.

O discurso corrente nas garagens do setor é que Ruas se cansou de operar as linhas e mira outros negócios ligados ao setor. A Ruas Invest detém participação na Caio Induscar, fabricante da maioria das carrocerias usadas na cidade de São Paulo. De olho na tendência de migração dos passageiros dos ônibus para o metrô, o grupo da família Ruas está ao lado da CCR nas concessões das linhas do metrô paulistano 4-amarela, 5-lilás, 15-prata e 6-laranja (ainda em construção). Também tem o controle da empresa responsável pelos anúncios nos pontos de ônibus de SP e do Rio

 

Mas, a maior frota da cidade é a da empresa Metrópole, da família Abreu. Um em cada dez ônibus da cidade pertence à viação, pelos dados do contrato (definido na nova concessão do transporte paulistano). Além de várias empresas de ônibus espalhadas por São Paulo, os Abreu também têm participação na Caio Induscar e em empresas de pneus e vidros para veículos. Leia o texto completo no site da Folha de S. Paulo

 

Leia também:
Em SP, ônibus sem cores dificulta a vida de usuários
Catraca nos ônibus é barreira à cidadania

Cai o uso do ônibus em SP. Metrô, trens e apps crescem
Retrocessos na mobilidade urbana de SP

 


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.