Cai o uso do ônibus em SP. Metrô, trens e apps crescem

Pesquisa origem-destino mostra redução nas viagens com ônibus e aumento de passageiros nos sistemas de trilhos. Apps de carros fizeram o triplo de viagens de táxis

Notícias
 

Fonte: Pesquisa OD 2017 Metrô SP  |  Autor: Marcos de Sousa/MobilizeBrasil  |  Postado em: 12 de dezembro de 2018

Trem da CPTM na Estação da Luz, em São Paulo

Trem da CPTM na Estação da Luz, em São Paulo

créditos: Marcos de Sousa/Mobilize Brasil

Os paulistanos estão trocando o ônibus pelo metrô, trens e carros de aplicativos em seus deslocamentos diários na Região Metropolitana de São Paulo. A informação é um dos primeiros resultados da Pesquisa Origem-Destino realizada entre 2017 e 2018 pela Companhia do Metropolitano (Metrô). Os dados foram divulgados em entrevista coletiva realizada hoje (12) no Instituto de Engenharia de São Paulo.

 

A pesquisa Origem Destino do Metrô é realizada desde 1967, quando o metrô paulistano começou a ser planejado, e se repete a cada dez anos. O trabalho - que neste ano ouviu 156 mil pessoas - é a principal referência para a compreensão da mobilidade na área da capital paulista. 

 

O ônibus continua a ser o modo de transporte mais presente nas ruas da cidade, com quase 15 mil veículos, mas o número de viagens por este modo de transporte caiu de 9 milhões de viagens/dia em 2007 para 8,6 milhões por dia em 2017. As viagens feitas apenas com ônibus representam hoje 21% de todos os deslocamentos diários na RMSP. No mesmo período, entre 2007 e 2017, as viagens de metrô subiram de 6% do total para 8%, ou cerca de 3,4 milhões por dia.

 

O crescimento no uso do transporte sobre trilhos é explicado pela ampliação da rede metroviária, com as linhas 4 Amarela e 5 Lilás, que permitiram novas conexões e ganhos de tempo nas viagens diárias. Os trens da CPTM também registraram aumento de viagens, passando de 800 mil passageiros para 1,3 milhão por dia, um aumento de 2% para 3% entre 2007 e 2017. As novas conexões com o metrô, além da integração tarifária por meio do bilhete único e algumas melhorias introduzidas nos trens e estações explicam o aumento de viagens.

 

Aplicativos
A grande novidade é a inclusão dos aplicativos de carros, já que a pesquisa anterior foi realizada em 2007, quando esse tipo de transporte ainda não existia na cidade. Segundo a prévia publicada ontem (11) pelo jornal Folha de S.Paulo, as viagens feitas por apps como o 99 e o Uber na RMSP correspondem ao triplo daquelas feitas com táxis em 2017. Segundo a pesquisa, a cada dia de 2017 o paulistano realizou cerca de 113 mil viagens de táxi contra pelo menos 362 mil de aplicativos. O número, segundo o Metrô, é importante para entender a influência desses carros na mobilidade e no trânsito e se eles realmente retiram veículos individuais das ruas. Estudo recente realizado em Nova York mostrou que os carros de aplicativos ocupam mais as ruas porque circulam vazios enquanto esperam a chamada de novos clientes. 

 

Mobilidade ativa
Os dados apresentados pela Pesquisa OD 2017 sobre a mobilidade a pé e de bicicleta na região de São Paulo mostraram um crescimento tímido em relação a 2007. Há dez anos, cerca de 300 mil pessoas se deslocavam exclusivamente por meio da bicicleta, número que saltou para 400 mil por dia em 2017. Segundo a pesquisa, os deslocamentos a pé subiram de 12,6 milhões para 12,8 milhões por dia.


 

Leia também:
Pesquisa Origem e Destino do Metrô de SP chega à 6ª edição (2017)
Por que viagens curtas a pé não entram nas pesquisas OD (2017)
Dados de celulares poderão substituir pesquisas de mobilidade (2016)
Mulheres andam mais a pé e de transporte público que os homens (2016)

 


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.