Brasil pode ganhar 21 linhas de trens de passageiros

Depois de quatro décadas de abandono, os trens regionais voltaram à pauta dos governos estaduais e federal

Notícias
 

Fonte: Agência Estado  |  Autor: Da redação  |  Postado em: 15 de outubro de 2012

Mapa dos trilhos existentes e a serem construídos

Mapa dos trilhos existentes e a serem construídos no país

créditos: Agência Estado

 

Atualmente, está em estudo pelo poder público a construção de 21 ramais ferroviários para passageiros. Caso todos os projetos planejados no Brasil saiam do papel no prazo previsto, o País pode ganhar 3.334 km de trilhos para transporte em 14 Estados até 2020.

 

O número é mais que o dobro do que existe hoje em operação. Apenas duas linhas de passageiros funcionam atualmente no País: uma liga Belo Horizonte (MG) a Vitória (ES) e outra, São Luís (MA) a Carajás (PA) – ambas são operadas pela Vale. O atual cenário contrasta com o que era esse mercado há meio século: na década de 1960, cerca de 100 milhões de passageiros eram transportados em trens interurbanos anualmente. Hoje, esse número é de cerca de 1,5 milhão de pessoas por ano.

 

Para Vicente Abate, presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer), o ressurgimento de projetos de trilhos pelo País é reflexo do recente aumento da preocupação com a mobilidade. “O transporte ferroviário de passageiros é normalmente rápido, seguro, confortável e não poluente. Trens de velocidade média, entre 100 e 150 km/h, são uma alternativa para a mobilidade entre as cidades, que hoje está um desastre.”

 

Entre os projetos mais avançados estão a ligação entre Brasília e Goiânia, passando por Anápolis, e cerca de 500 km de trilhos em Minas que fariam a conexão entre Belo Horizonte e cidades como Sete Lagoas, Ouro Preto e Brumadinho. O primeiro, orçado em R$ 800 milhões, está prometido para 2017 e deve vencer todo o trajeto em cerca de uma hora.

 

Já o segundo está divido em três trechos e deve ser feito por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP) que já tem 18 interessados em preparar estudos de viabilidade. A expectativa é de que as obras comecem em 2014.

 

Em São Paulo, o governo estadual realiza estudos para três ramais – ligando a capital a Jundiaí, Santos e Sorocaba. Além disso, o Trem de Alta Velocidade (TAV), previsto pelo governo federal para ficar pronto em 2020, vai cortar grandes cidades do Estado, como Campinas, São Paulo e São José dos Campos, no caminho até o Rio.

 

Linhas existentes:


• Belo Horizonte-Vitória – 664 km
• São Luiz-Carajás – 892 km

 

Linhas em desenvolvimento:

• Brasília-Goiânia – 150 km
• Belo Horizonte-Sete Lagoas-Ouro Preto- Divinópolis – 500 km
• São Paulo-Jundiaí – 47 km
• São Paulo-Santos – 72 km
• São Paulo-Sorocaba – 90 km
• TAV Campinas-São Paulo-Rio de Janeiro – 528 km

 

Linhas em estudo:

• São Cristóvão-Aracaju-Laranjeiras – 40 km
• Londrina-Maringá – 122 km
• Bento Gonçalves-Caxias do Sul – 65 km
• Recife-Caruaru – 139 km
• Campos-Macaé – 94 km
• Itajaí-Blumenau-Rio do Sul – 146 km
• Pelotas-Rio Grande – 52 km
• Campinas-Araraquara – 192 km
• Santa Cruz-Mangaratiba – 49 km
• Bocaiúva-Montes Claros-Janaúba – 217 km
• São Paulo-Itapetininga – 199 km
• Conceição da Feira-Salvador-Alagoinhas – 238 km
• Codó-Tersona-Altos – 205 km

 

Água Branca deve ser ponto de partida de trens de passageiros em SP

O ponto de partida de trens expressos de passageiros em São Paulo será a Estação Água Branca da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), na zona oeste.

 

Ela será o terminal paulistano do trem para Jundiaí, cujos editais de licitação foram publicados no mês passado. O Estado prevê que as linhas para Sorocaba e, possivelmente, Santos também partam da estação, que será remodelada.

 

A aposta nos trens regionais para melhorar o transporte entre as principais cidades do Estado é um reflexo do aumento da frota de carros em São Paulo – que, em fins de semana e feriados, acaba travando as principais rodovias. O próprio secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, costuma dizer que as concessionárias de estradas pedem para que trens como o de Jundiaí saiam logo do papel.

 

A definição final da Estação Água Branca como hub desses trens será feita em janeiro, segundo o superintendente de planejamento da CPTM, Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro. Sorocaba e Jundiaí está decidido. Agora, em Santos, você tem o pré-sal. Onde vai morar todo mundo que trabalhará por lá? Em Santos, não cabe. ABC? A Água Branca pode ser um hub dos trens, mas não ‘o’ hub. Posso fazer mais de uma parada.

 

Leia também:

Trem de alta velocidade brasileiro deve ficar pronto em 2020 

Nunca se andou tanto de trem na capital 

Em São Paulo, metrô e trem criam 'cotas' para levar bicicletas em vagões 


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Ricardo Cecílio - 19 de Julho de 2013 às 17:51 Positivo 1 Negativo 0

Infelizmente, só Brasileiros, são privados de usufluir do transporte ferroviário !Parabéns para nossos governantes!

Ricardo Cecílio - 19 de Julho de 2013 às 17:50 Positivo 0 Negativo 0

Enquanto existir a ganancia governamental, nos mais caros e diversos impostos, cobrados em veículos nas estradas de rodagem, o Brasil sobre trilhos, não vai sair do papel! Essa ALL, quando assumiu o direito sobre trilhos, no Brasil, só sucateou!

Ricardo Cecílio - 19 de Julho de 2013 às 17:46 Positivo 0 Negativo 0

Na minha opinião, acho que os atuais governos, Federal, Estadual e até Municipais, estão perdidos, numa coisa simples de se resolver.Em cima do que já existe, dá pra se fazer muito sem restringir, vários municípios que sempre utilizou esse transporte

Gleizer Oliveira - 29 de Janeiro de 2013 às 23:17 Positivo 0 Negativo 1

Isto é mentira! Araraquara ficou de fora do projeto Trens Regionais. Não vai ter mais trens entre Araraquara e Campinas p#%*@ nenhuma!

Gleizer Oliveira - 29 de Janeiro de 2013 às 23:17 Positivo 0 Negativo 1

Isto é mentira! Araraquara ficou de fora do projeto Trens Regionais. Não vai ter mais trens entre Araraquara e Campinas p#%*@ nenhuma!

Clique aqui e deixe seu comentário