Quadro comparativo das mortes por acidentes de trânsito

Quadro comparativo das mortes por acidentes de trânsito entre Brasil, EUA e União Européia do relatório da CNM, 2008

Quadro comparativo das mortes por acidentes de trâ
créditos: CNM - Confederação Nacional de Municípios

 

 

Segundo as estatísticas consolidadas do International Transport Forum, os Estados Unidos teve 37.261 mortes no trânsito em 2008, em uma população de aproximadamente 304 milhões de pessoas. Esse número vem caindo progressivamente, assim como em todos os países desenvolvidos, que estão investindo maciçamente no que chamam de “road safety policies” – (políticas de segurança rodoviária). Em 2007, os EUA teve 41.259 mortes, e em 2006, 42.708. 

O International Transport Forum é uma organização intergovernamental no âmbito da OCDE – Organisation for Economic Co-operation and Development, formada a partir da Conferência Européia dos Ministros dos Transportes, com 51 países membros. Seus membros incluem todos os países da OCDE, assim como muitos países da Europa Central, Oriental e Índia. O Brasil ainda não faz  parte deste Fórum, embora já tenha sido convidado.  Já a European Comission Transport mostra que a União Européia teve 38.876 mil mortes no trânsito em 2008, com custos socioeconômicos por volta de 2% do seu PIB, o equivalente a 180 bilhões de euros. Em seus 27 países membros residia uma população de 498 milhões de pessoas em 2008.  

Segundo o European Road Safety Observatory, as mortes em acidentes de trânsito na União Européia reduziram cerca de 30%  entre 1996 e 2006, o que demonstra grande empenho dos países da região na resolução do problema. O maior êxito foi alcançado por Portugal, com uma redução de 62% no período de 1997 a 2006.

A partir desses dois exemplos internacionais, podemos fazer um paralelo com o contexto brasileiro e analisar em que nível se encontra o país.

 

 

  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Djair Cabral - 28 de Dezembro de 2014 às 09:23 Positivo 0 Negativo 0

Euclydes, entendo seus questionamentos e concordo com eles. O fato é que os métodos que são adotados pelas autoridades e quase todos nós para combater algo de errado em determinados contextos, sempre objetivam combater efeitos e nunca a causa.

Euclydes Marques - 19 de Outubro de 2011 às 10:28 Positivo 0 Negativo 1

Sugestão: Porque construir automóveis p/ 180 a 200 km p/h se essas velocidades são proibidas? Porque não propor lei limitando velocidade no próprio motor? A maioria dos radares seria dispensável! Algum argumento contra? Gostaria de voltar ao tema.

Clique aqui e deixe seu comentário