Intervenções urbanas em pequenas cidades: uma forma de abrir os olhos dos moradores

Veja como uma ação participativa, ou "placemaking", realizada na pequena Maragogi (AL) pela equipe da Urb-i e população local permitiu conectar uma escola a uma praça

Notícias
 

Fonte: Mobilize Brasil/ Urb-i  |  Autor: Paulo Carmagnani Franco*  |  Postado em: 17 de janeiro de 2018

Crianças tomam iniciativa de cuidar do espaço públ

Crianças tomam iniciativa de cuidar do espaço público em AL

créditos: Paulo Carmagnani Franco

As chamadas ações de 'placemaking' e 'urbanismo tático', que são formas de transformar espaços e humanizá-los, ainda são novidade na maioria das cidades brasileiras, mas já ganharam visibilidade principalmente em capitais como São Paulo, Recife, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Os pequenos municípios, no entanto, têm desafios semelhantes aos dos grandes centros. Nos dois casos há que se melhorar a qualidade dos espaços públicos de forma gradual e por meio da participação social, para trazer de volta o sentimento de pertencimento da população. 

Maragogi, em Alagoas, é um bom exemplo. A cidade com pouco mais de 30 mil habitantes é muito conhecida pelas piscinas naturais, mas poucos turistas permanecem por muito tempo no município. Em novembro de 2017, a Urb-i foi convidada pela urbanista e consultora Elza Lira para realizar uma intervenção urbana no distrito de Barra Grande.

O objetivo sempre foi abrir os olhos dos moradores para a necessidade de se melhorar os espaços públicos. Foi um desafio enorme organizar tudo a distância, mas contamos com o apoio da Elza e de várias secretarias municipais.

 Praça da TV sem conexão com a escola de ensino fundamental. Foto: Paulo Carmagnani Franco

Escolhemos as praças Nossa Senhora da Guia e a Praça da TV, conectadas pela Rua da Maravilha, como ponto de partida. Ambas estão ao lado de uma escola, porém são pouco utilizadas pelas crianças. A Praça da TV tem cinco bancos dispostos em formato de “U” em frente a uma casinha suspensa por uma coluna de concreto. Dentro dela, um aparelho de televisão usado pela população principalmente durante as noites. Durante o dia, a falta de sombreamento e aridez afastam os usuários.

A praça é uma espécie de ilha em meio a três ruas de paralelepípedo por onde passam pouquíssimos carros. Uma das vias separa o espaço público de uma escola municipal para crianças de 7 a 12 anos. A construção está bem cuidada, mas tem apenas salas de aula, sem nenhuma área para o recreio da molecada.

Projeto de intervenção na Praça da TV feito a partir de sugestão da comunidade

Quando vimos as imagens do local e a foto aérea do Google, logo pensamos em conectar a escola à Praça da TV. Optamos por não chegar com uma ideia pronta e sim ouvir o que as pessoas tinham a dizer. Essa abordagem nos ajudou a enfrentar a desconfiança dos moradores em relação ao trabalho.

Trazendo a população para dentro do projeto - Placemaking
Como estratégia para levar as crianças a interagirem como o espaço público, fizemos as atividades em dois dias - um para aproximá-las do ambiente externo e outro para realizar a intervenção com materiais leves. Pedimos para os alunos de 5a e 6a séries desenharem como enxergavam o entorno da escola. Árvores, casas e a própria escola surgiram coloridas no papel em branco. O que mais apareceu foi a tal Praça da TV (ainda sem muita cor), indicando uma forte relação dos pequenos com aquele espaço. 

 Carolina Guido, da Urb-i, orienta as crianças durante atividade de desenho. Foto: Paulo Carmagnani Franco 

Crianças fazem a Bitácora de Passeio no espaço público. Foto: Paulo Carmagnani Franco

A segunda parte das atividades foi a Bitácora de Passeio, uma espécie de diário de bordo criado pelo arquiteto e urbanista mexicano Aldo González Barrera. Em uma folha de papel, as crianças reconhecem vários elementos no espaço público, como texturas, vegetação e nomes de ruas. O trabalho foi ótimo para eles se soltarem e caminharem um pouco ao redor da escola, algo incomum na rotina de lá, e que os motivou a participar da próxima atividade.

Ao final do dia, estendemos um mapa da área da intervenção e pedimos para que os alunos e a comunidade escrevessem o que gostariam que tivesse naquela área. Sem saberem da nossa ideia inicial, muitos pediram para conectar a praça à escola, criando assim uma nova área de convivência. Também sugeriram uma iluminação melhor, mais bancos, equipamentos para idosos, biblioteca, entre outros.

Adultos e crianças dão sugestões para o projeto. Foto: Paulo Carmagnani Franco  

Sugestões apresentadas pela comunidade. Foto: Paulo Carmagnani Franco  

Com base nas sugestões dos usuários, a Urb-i desenvolveu um projeto de intervenção que visa a deixar um legado nas praças. Em parceria com a prefeitura de Maragogi, conseguimos vários materiais como cal, corante, baldes, broxas, vassouras, pneus, iluminação, mudas de plantas e muita vontade de transformar! 

Quando chegamos ao local para iniciar os trabalhos, a criançada já estava ansiosa. Demos algumas orientações iniciais e já partimos para a mudança. Os alunos queriam saber de pintar o chão, os pallets e os pneus com a tinta colorida. Os mais velhos plantaram as mudas de Pau-brasil e outras espécies na área da intervenção. A prefeitura já havia instalado novas lâmpadas e recolhido o entulho em uma das áreas. Ao final do dia, conectamos a Praça da TV à escola, criando uma área para as crianças brincarem com segurança. A praça ao lado, Nossa Senhora da Guia, ganhou nova iluminação e muita cor. 

Crianças pintam a Praça da TV. Foto: Paulo Carmagnani Franco  

Crianças pintam a praça Nossa Senhora da Guia. Foto: Paulo Carmagnani Franco  

Alguns vizinhos confundiram a ação com uma reforma. Mas não é! O diálogo com a sociedade é fundamental para explicar os objetivos do trabalho, ouvir as opiniões de todos e envolver mais gente no processo. Este é o conceito de placemaking - criar uma nova imagem sobre estes locais em transformação, para que seja gerado um vínculo afetivo e por consequência um novo lugar. 

O exemplo da praça no distrito de Barra Grande pode ser replicado em muitas outras de Maragogi. A rede hoteleira, os comerciantes, moradores e o poder público devem unir esforços para replicar a experiência nos espaços da cidade. É preciso pensar em um plano que priorize uma nova relação dos moradores com o espaço público.

No nosso próximo artigo vamos falar da importância desse tipo de intervenção para recuperar a autoestima da população e melhorar a identidade das cidades.

Praça da TV conectada à escola após a intervenção. Foto: Paulo Carmagnani Franco  

Moradores aproveitam a nova iluminação na praça Nossa Senhora da Guia. Foto: Paulo Carmagnani Franco 

Paulo Franco e Carolina Guido, da Urb-i, orientam alunos e professores antes da intervenção. Foto: Paulo Carmagnani Franco  

Moradores plantam árvores ao redor da praça da TV. Foto: Paulo Carmagnani Franco   

Links relevantes
Bitácora de passeio
Bitácora de passeio
Maragogi-Urb-i 

*Paulo Carmagnani Franco é jornalista e sócio diretor da Urb-i: Urban Ideas www.urb-i.com, uma start-up de soluções urbanas que propõe melhorar a vida nas cidades, transformando pessoas e lugares. Urb-i no Mobilize é um projeto em colaboração com o portal, para publicação de conteúdos gerados pela equipe da Urb-i, de São Paulo. 

Leia também:
Jogo dos erros: travessia em São Paulo coloca pedestres em risco
Na zona leste de SP, uma rotatória será transformada em praça neste sábado
Bem pertinho: uma outra mobilidade
A hora e a vez do pedestre passar: Quando?


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Enquetes
Enquete Você deixaria o carro em casa, e até o transporte público, se as calçadas de sua cidade fossem melhores para caminhar?