Teleféricos do Rio estão abandonados

Símbolos das comunidades, teleféricos do Alemão e o da Providência seguem sem previsão de voltar a operar e sofrem com a ação do tempo, da falta de uso e as depredações

Notícias
 

Fonte: O Globo  |  Autor: Geraldo Ribeiro  |  Postado em: 04 de abril de 2018

Abandonado, teleférico do Alemão custou R$ 75 milh

Abandonado, teleférico do Alemão custou R$ 75 milhões

créditos: Marcelo Régua/Agência O Globo

Juntos, eles custaram R$ 328 milhões e transportavam mais de 20 mil passageiros por dia. Porém, há mais de um ano os moradores do Complexo do Alemão, na Zona Norte da cidade, e do Morro da Providência, no Centro, não contam mais com os dois teleféricos, que viraram símbolos nessas favelas. Sem manutenção, os equipamentos sofrem com a ação do tempo, a falta de uso e a depredação. Apesar da importância que têm para as comunidades, ambos seguem abandonados, sem previsão de voltarem a funcionar.

 

Estação virou base da PM

Fechada desde dezembro de 2016, quando o serviço foi suspenso na Providência, a Estação Américo Brum é o retrato do descaso: luminárias, fios e cabos de aço caídos no chão, vidros quebrados e portas e vasos sanitários arrancados. Além disso, roubaram aparelhos de ar-condicionado, e há lixo por toda a parte. A situação só não é pior porque o espaço virou base de observação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), devido à localização privilegiada.

 

"É um abandono só. Faz muita falta. Quando preciso ir ao mercado lá embaixo, pago R$ 3 para ir de Kombi. O teleférico era de graça e, mesmo se tivesse cobrança, compensaria por ser mais rápido e confortável", afirmou a dona de casa Ivonete da Silva, de 54 anos, que utilizava o meio transporte duas vezes por dia.

 

O servente Luiz Carlos de Deus, de 49 anos, também sente saudades do tempo em que o teleférico funcionava e fazia viagens de cinco minutos até a Central ou até a Gamboa. Hoje ele diz que caminha de 15 a 20 minutos para subir e descer a favela.

 

No Complexo do Alemão, a população também sente a falta do serviço. Atrás da Estação Morro do Adeus, fechada desde setembro de 2016 e sem nenhuma vigilância, chamam atenção várias peças de gôndolas desmontadas. Jogado numa área tomada pelo mato, o material está exposto à chuva e ao sol. Com a paralisação do transporte, que era gratuito para moradores cadastrados, também foram suspensas aulas de balé e capoeira para crianças. No local também funcionava uma agência bancária, que empregava quem vive na favela.

 

"Hoje, só temos duas opções para descer a comunidade: mototáxi ou táxi", reclama Ana Santana, de 39 anos, que vende balas e bebidas, em frente à estação desativada.

 

O teleférico da Providência, inaugurado em julho de 2014, fazia parte do programa de reurbanização Morar Carioca, da prefeitura do Rio, e atendia cerca de cinco mil moradores. O equipamento, com 16 gôndolas e capacidade para transportar mil pessoas por hora em cada sentido, recebeu investimento total de R$ 75 milhões.

 

A Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), que administrava o serviço, informou que o contrato de operação venceu em dezembro de 2016 e o novo termo já está pronto, aguardando orçamento para liberação do edital.

 

Peça foi fabricada na Áustria

O teleférico do Alemão é mais antigo. Inaugurado em julho de 2011 pelo estado, com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), custou R$ 253 milhões. O sistema tinha 3,5 km de extensão e 152 gôndolas com capacidade para oito passageiros cada. A viagem da primeira estação (Bonsucesso) até a última (Palmeiras) levava cerca de 16 minutos. 

 

Operado inicialmente pela SuperVia, sem licitação, em março de 2016 a gestão passou para o Rio Teleféricos, concessionária formada pelas empresas Hanover Administradora de Bens Próprios Ltda e Providência Teleféricos Ltda.

 

O serviço foi suspenso durante uma manutenção, sob a alegação de que havia desgaste num dos cabos de tração, sendo necessária a paralisação preventiva, seguindo normas internacionais de segurança. Em setembro de 2017, após um ano parado, a equipe de reportagem do jornal O Globo informou que o consórcio havia notificado o estado pela falta de repasses mensais no valor de R$ 2,7 milhões, desde abril de 2016. Na ocasião, a dívida somava R$ 43 milhões, sem os juros.

 

A Secretaria Estadual de Transportes informou apenas que a retomada do teleférico depende da troca do cabo, que foi fabricado sob medida na Áustria. Ainda segundo o órgão, “o equipamento está pronto e virá para o Brasil tão logo o estado tenha os recursos necessários para a retomada do serviço.” Procurado, o Rio Teleféricos não havia se pronunciado até o fechamento desta edição.

 

Leia também:
Teleférico poupa 60% de tempo em La Paz
Bolívia começa a construir a quinta linha de teleféricos
Teleférico do Morro da Providência, no Rio, não opera há quase um mês
Com teleférico suspenso até 2017, moradores do RJ enfrentam problemas

Teleférico do Alemão fecha e funcionários protestam


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Enquetes
Enquete Você deixaria o carro em casa, e até o transporte público, se as calçadas de sua cidade fossem melhores para caminhar?