Equipamento na bike mapeia riscos em rotas de ciclistas

Em teste por universitários de Curitiba, Invisible Shield é dotado de sensores que detectam objetos ao redor da bicicleta. Com ele, será possível mapear as rotas seguras

Notícias
 

Fonte: Assessoria UFPR  |  Autor: Mobilize/ Bem Paraná  |  Postado em: 07 de junho de 2019

Prof. André Bellin Mariano, que coordena o projeto

Prof. André Bellin Mariano, que coordena o projeto na UFPR

créditos: UFPR Notícias/Reprodução

Invisible Shield é um equipamento fixado nas bicicletas que dispõe de diversos sensores de ultrassom capazes de verificar em 360 graus a distância em que veículos e objetos estão ao redor de um ciclista. Com os dados coletados pelos sensores, será possível determinar quais são as rotas ciclísticas mais seguras e identificar os problemas em áreas mais perigosas. 

 

O equipamento, que monitora o trajeto de ciclistas, foi desenvolvido por alunos e professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e estruturado dentro da startup Smart Mobility, como parte do projeto de extensão Ciência para Todos.

 

Como explica o professor do Departamento de Engenharia Elétrica da UFPR, André Bellin Mariano, que coordena o projeto, o Invisible Shield ainda é direcionado para estudos e será usado para analisar os obstáculos em rotas já mapeadas em Curitiba e classificadas como as mais perigosas. Por enquanto, os trajetos estão sendo mapeados por outro equipamento mais simples, o aplicativo B1K3 Lab (veja explicação mais abaixo).

 

Segundo Mariano, os pontos de maiores riscos detectados pelo Invisible Shield serão avaliados para que se compreenda melhor por que a legislação que protege os ciclistas não está sendo respeitada. “Queremos entender se o desrespeito às normas é devido à arquitetura da rua, ao comportamento do motorista ou do ciclista, ou uma combinação desses fatores”, afirma.

 

Como funciona

O conjunto de sensores do equipamento emite sons de alta frequência (não audíveis pelo ouvido humano) no momento em que a bike se depara com um objeto pelo caminho; em seguida, esse sinal é refletido de volta para outro sensor que capta o som. Com esse dado, é possível calcular a distância dos objetos em relação à bicicleta pelo tempo que leva o som para ser emitido e captado pelos sensores.

 

Invisible Shield, com série de sensores que monitoram o trajeto da bicicleta. Foto: Divulgação

 

Aplicativo

O B1K3 Lab, desenvolvido pelo professor André Bellin Mariano e pelo estudante Caio Filus Felisbino em 2016, analisa vários parâmetros no trajeto do ciclista, como a qualidade do ar ao longo do percurso e a distância em que carros ultrapassam ciclistas. O equipamento possui apenas um sensor de ultrassom, realizando um monitoramento mais simples dos riscos.

 

Os dados coletados pelo B1K3 Lab e pelo Invisible Shield são enviados para um aplicativo no celular do ciclista, o Smart Mobility, que encaminha as informações para os servidores que compõem o banco de dados do projeto. A intenção é que, no futuro, o aplicativo possa traçar rotas com menores riscos, menos elevadas e menos poluídas, proporcionando mais segurança e saúde aos ciclistas.

 

Atualmente, o projeto busca financiamento e parcerias para produzir mais unidades do equipamento e realizar um monitoramento mais completo das ruas. Por enquanto, o B1K3 Lab é usado apenas por voluntários do projeto.

 

Leia também:
Bicicleta vira móvel para pagar menos imposto
Bicicletas (quase) autônomas já são viáveis
Os bons agouros da bicicleta em Curitiba
O uso da bicicleta como ferramenta para o estudo da paisagem
Bicicleta com laboratório móvel, no Desafio Intermodal de Curitiba


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.