Piso tátil na Paulista acaba em parede e 'oculta' metrô

Falhas em equipamento de sinalização para cegos confundem o pedestre. Falta piso de alerta no acesso às estações de metrô da avenida. Prefeitura diz que vai averiguar

Notícias
 

Fonte: Folha de S. Paulo  |  Autor: Leandro Machado  |  Postado em: 19 de maio de 2014

Piso tátil danificado na av. Paulista

Piso tátil danificado na av. Paulista

créditos: Mobilize Brasil

 

O piso tátil das calçadas da avenida Paulista, adotado para orientar a caminhada de pessoas cegas ou com baixa visão apresenta problemas que podem confundir o pedestre, apurou a reportagem do jornal Folha de S. Paulo. O equipamento foi instalado em 2008, durante a gestão de Gilberto Kassab (PSD).

 

"Ando bem porque já estou acostumado, mas o cego que vier pela primeira vez não vai achar o metrô, diz José Rosaldo", que é cego. Ele desce na estação Brigadeiro e caminha, seguindo o piso, até a praça Oswaldo Cruz, onde trabalha como massoterapeuta.

 

O piso tem linhas retas em relevo para indicar ao cego trechos sem obstáculos (piso direcional). Quando há desvios para acessos ou barreiras, o relevo é de bolinhas, o chamado piso de alerta. Na sexta-feira (16), a Folha percorreu a avenida e não encontrou piso de alerta na entradas das três estações de metrô da via --uma das únicas da cidade com o equipamento em quase toda a sua extensão. 

 

Os pontos de ônibus da área também não possuem essa sinalização de alerta. Já no quarteirão do Conjunto Nacional, o piso desaparece. "Se a pessoa não tem muita experiência, como eu, fica desorientada", diz a estudante de pedagogia Camila Domingues, 23, em seu primeiro passeio na Paulista.

 

Moradora de Cotia, Camila perdeu a visão há dois anos e faz aulas de mobilidade em uma associação de São Paulo. "Achei o piso irregular. Em algumas partes, ele segue bem, mas desvia demais, tem muito buraco e a bengala acaba presa", afirma.

 

Em outros três pontos da avenida Paulista, o piso para cegos acaba em paredes, sem o relevo de alerta. "Assim, a pessoa pode se assustar com a parede. Se ele [deficiente visual] não usar a bengala adequadamente, pode sofrer um acidente", afirma João Moraes Felippe, professor de orientação da Lamara (Associação Brasileira de Assistência à Pessoa com Deficiência Visual).

 

Outro lado: Prefeitura diz que avenida será vistoriada

A prefeitura afirmou à equipe da FSP que fará uma vistoria na avenida Paulista para providenciar os reparos necessários. Segundo a administração, não há orientação clara na ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para a instalação do piso tátil no país. 

 

"Justamente por isso, os projetos têm se aperfeiçoado desde então", diz a nota.

 

Sobre os desvios, a prefeitura diz que isso se deve aos obstáculos nas calçadas, como árvores e tampas.

 

A prefeitura diz ainda que o piso não foi colocado em frente ao Conjunto Nacional para não danificar a estrutura do prédio, que é tombado pelo patrimônio.

 

Leia também:

Calçadas continuam esquecidas em SP

Prefeitura de SP promete melhorar mobilidade em bairros periféricos 


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Enquetes
Enquete Você deixaria o carro em casa, e até o transporte público, se as calçadas de sua cidade fossem melhores para caminhar?