Palavra de Especialista

19
January
Publicado por admin no dia 19 de January de 2021

Thatiana Murillo
Professora e Cofundadora da organização Caminha Rio

 

 

Você dirige o automóvel/Eu lhe dirijo argumentos/Você digere alguns momentos/Mas cola seus olhos ao ponteiro/E cola o ponteiro ao vermelho/E cola o seu carro ao da frente/Você diz a verdade quando mente/Porque amplifica sua voz quando fala/Seu carro vai rápido como uma bala/Seu carro é irrefutável/Mas as vielas são inviáveis (…)
Você dirige o automóvel/Mas eu dirijo seus tormentos/A minha lógica pedestre/Vai ser seu atropelamento/Eu serei o responsável/Irresponsábilizável (…)

 

Foi no fim da década de 1980 que a banda Skowa e a Máfia ficou conhecida com o hit Atropelamento e Fuga. Reproduzo os versos que me parecem mais impactantes e que não saem da minha cabeça nestes últimos dias em razão dos vários “acidentes” que mataram ciclistas e pedestres em várias cidades do Brasil. Um dos últimos – infelizmente não o último – aconteceu no Rio de Janeiro, causado por um capitão do Corpo de Bombeiros supostamente embriagado.

Não sei se o músico Skowa sonhava com um trânsito mais seguro naquela época, mas o fato é que trinta anos depois, a crítica continua certeira para o grau da violência do trânsito nas ruas brasileiras. Estatísticas apontam cinco mortes por hora, a um custo de R$ 3 bilhões ao nosso Sistema Único de Saúde (SUS) nos últimos anos.

Apesar dos radares, da Operação Lei Seca e das campanhas educativas, é duro constatar que o trânsito ainda mata mais do que a violência urbana ou doenças cardíacas. Para sairmos desse ranking macabro, organizações da sociedade civil, departamentos de trânsito e parlamentares ligados ao assunto se movimentam para incluir a educação de trânsito nas escolas como conteúdo obrigatório no ensino fundamental.

Concordo com a iniciativa, mas não com sua obrigatoriedade. É jogar muita expectativa nos bancos escolares sem endurecer as penalidades que hoje são aplicadas para os infratores.

Acredito que as escolas deveriam ficar com outra função: ensinar o aluno a pensar a cidade na sua totalidade. Talvez, nesse processo de entender o porquê do desenho das nossas ruas, a mobilidade faça mais sentido de acordo com a realidade que cada um vive no seu território. É interessante que esse aprendizado seja prazeroso e oferecido através de projetos mais leves e mais descontraídos, sem o peso da avaliação ou da obrigação – que os alunos geralmente não suportam, sobretudo os adolescentes.

Uma formação de excelência para os condutores talvez fosse um investimento mais eficiente no sentido de deixar o trânsito civilizado. O motorista se faz no dia a dia dirigindo, o motociclista pilotando, o ciclista pedalando e o pedestre andando. É na prática diária, no ir e vir, no espaço que a cidade nos oferece que construímos os nossos deslocamentos familiares com todas as delícias e amarguras que encontramos pelo caminho.

Se as cidades continuarem com o mar de rotas que convidam motores a acelerar e ao mesmo tempo empurram pedestres e ciclistas para os pedacinhos que sobram nos cantos das ruas, sinto muito, mas estaremos estagnados.

Skowa sintetizou a questão nos versos…
A minha lógica pedestre vai ser seu atropelamento, eu (pedestre) serei o responsável.”

Até quando?

 

Nota da edição: Atropelamento e Fuga foi lançada originalmente em 1987 pela banda Akira S & as Garotas Que Erraram. A música é assinada por Alex Antunes e Akira S. Com a regravação de Scowa e a Máfia, a canção ganhou uma versão funkeada, que fez sucesso em todo o país. Foi levada até a programas bem populares, como mostra este vídeo no “Xou da Xuxa”.



Compartilhe

Comente

Seu e-mail nunca é exibido. Campos obrigatórios são marcados *

*
*


Busca no Blog
Com a palavra...
Olímpio Alvares Olímpio Alvares
escreve e convida especialistas em mobilidade urbana a compartilhar opiniões e comentar os assuntos em destaque no noticiário nacional e internacional. Olimpio é engenheiro mecânico pela Escola Politécnica da USP, diretor da L'Avis Eco-Service, especialista em transporte sustentável, inspeção técnica, emissões veiculares e poluição do ar. Atuou durante 26 anos na área de controle de emissões veiculares da Cetesb, concebeu o Projeto do Transporte Sustentável do Estado de São Paulo, o Programa de Inspeção Veicular e o Programa Nacional de Controle de Ruído de Veículos. É fundador e secretário executivo da Comissão de Meio Ambiente da ANTP; diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Sobratt; assistente técnico do Proam; consultor do Banco Mundial, do Banco de Desenvolvimento da América Latina, (CAF) e entre outros órgãos públicos e organizações da sociedade civil, como o Mobilize Brasil..

Posts mais lidos
Categorias
Arquivo

Realização
Associação Abaporu
Desenvolvimento
MSZ Solutions
Comunicação
Mandarim Comunicação
Patrocínio
Itau

Allianz
Apoio
Ernst & Young
Prêmio
Empreendedor Social
Prêmio Empreendedor Social