CCR promete investir 4 bi em monotrilho de SP

Única participante leilão do governo paulista, consórcio da empresa venceu com oferta de 160 milhões de reais

Notícias
Fotos
 

Fonte: Repórter Diário  |  Autor: Repórter Diário (ABC)  |  Postado em: 13 de março de 2019

Veículo da Linha Prata na estação Vila Prudente, r

Veículo da Linha Prata na estação Vila Prudente

créditos: Marcos de Sousa / Mobilize Brasil / 2015

A recém-adquirida concessão da Linha 15-Prata de monotrilho em São Paulo deve exigir investimentos da ordem de R$ 4 bilhões ao longo dos 20 anos de contrato, disse o diretor-presidente da CCR Mobilidade, Italo Roppa. A estimativa, apresentada na segunda-feira (11), quando o Consórcio Via Mobilidade venceu o leilão da linha, leva em conta desembolsos com operação e manutenção de equipamentos e sistemas, explicou. O valor não considera a outorga fixa. Segundo ele, “boa parte” desses investimentos deverão ser realizados com recursos próprios e a fatia a ser financiada com capital de terceiros não está definida, mas dependerá de “negociação de mercado”.

 

Conforme previsto no edital, ao longo do prazo de concessão o concessionário deverá investir R$ 345 milhões no ramal, composto por 11 estações, entre a Vila Prudente e o Jardim Colonial, somando 15 km de vias elevadas. Atualmente, 8,8 km de vias estão em operação, somando seis estações. Outras quatro estão em construção e devem ser entregues até o fim do ano. Um trecho final com mais uma estação deve ser entregue até o fim de 2021.

 

Roppa minimizou o fato de que há um bom trecho para ser entregue, ainda que a companhia já tenha uma experiência negativa com os atrasos nas obras de estações da Linha 4. Ele salientou que na Linha 15 mais de 90% das obras estão prontas, portanto em pouco tempo é possível terminar toda a fase 1. O executivo também minimizou a demanda que vem sendo observada abaixo do esperado. Segundo ele, o patamar esperado será atingido quando todas as estações forem entregues.

 

Para ele, a falta de competição no leilão da linha não está relacionada aos riscos da concessão, mas à capacidade e conhecimento na operação “driveless” e em monotrilho de demais competidores. O executivo destacou que a companhia já opera no sistema sem operador na Linha 4 e adquiriu conhecimento na operação de monotrilho após vencer o leilão da Linha 17 Ouro.

Interior de composição do Monotrilho Linha 15 Prata Foto: Arquivo Mobilize 2015


A CCR arrematou a Linha 15-Prata em parceria com o Grupo Ruas, que deterá 20% da concessão, ao oferecer uma outorga de R$ 160 milhões, o que corresponde a um ágio de 0,59% ante o valor mínimo estabelecido. As duas empresas já são sócias em outras linhas da rede metroviária de São Paulo, caso das linhas 4, 5 e 17.

 

Considerando também a concessão do MetroBahia, a CCR alcança, com o novo contrato, 90 km de linha sob sua gestão e deve chegar a cerca de 70 estações. “Essa expertise que a companhia adquiriu nos credencia a incrementar e ser mais competitivo nas novas oportunidades que tem pela frente”, disse. 

 

Leia também:
Trens do monotrilho da linha 15-Prata, em SP, colidem; não há feridos(2019)
Metrô de SP adia pela segunda vez leilão do monotrilho da linha 15 (2018)
Uma visita ao Monotrilho Linha 15 Prata (2015)
Com obras paradas, governo paulista privatiza monotrilho (2016)
São Paulo: monotrilho Leste ficará pronto em 2013 


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.