O que nos reserva o ano de 2021?

Apesar da Covid-19 e de seus temores, temos que seguir lutando para melhorar a vida nas cidades, em todo o mundo. E que venha o tal Ano Novo...

Notícias
 

Fonte: Mobilize Brasil  |  Autor: Mobilize Brasil  |  Postado em: 18 de dezembro de 2020

Bonde articulado (VLT) em Bratislava, na Eslováqui

Bonde articulado decorado, em Bratislava, na Eslováquia

créditos: DP Bratislava

 

[email protected] [email protected],

O ano de 2020 ainda não terminou. E seu peso sinistro provavelmente não terminará tão cedo, porque a pandemia não obedece ao calendário.  Mesmo que tenhamos vacinas, a imunização consumirá vários meses - dizem os infectologistas - e teremos que seguir usando máscaras, usando álcool em gel, lavando as mãos, evitando aglomerações etc.

As imagens na tevê e nos jornais mostram várias capitais do Brasil com os terminais de transportes repletos de pessoas, muitas deles sem máscaras. Os shoppings estão cheios de gente e o trânsito nas ruas está bem acima ao dos dias anteriores à chegada do tal vírus. Tudo isso revela uma certa "acomodação" à pandemia. Mas, vale lembrar: hoje, 18 de dezembro, já são mais de 75 milhões de infectados pela Covid-19 em todo o mundo, e quase 1,7 milhão de pessoas mortas pela doença.


Os primeiros meses da pandemia indicaram alguns caminhos mais virtuosos para o enfrentamento da crise e funcionaram como um bom laboratório de cidades mais calmas, com menor tráfego de veículos, e consequente redução de poluentes e ruído urbano. Várias prefeituras, em países latino-americanos, e também na Europa, Oceania, Canadá e Estados Unidos, abriram espaço para o uso de bicicletas e para a caminhada, como a criação de ciclovias e calçadas "virtuais", algumas delas convertidas em infraestruturas definitivas. Mas pouco se viu dessas práticas aqui no Brasil. 


O transporte público, que já não ia muito bem das pernas (ou das rodas) em 2019, perdeu ainda mais passageiros e entrou em crise profunda em vários lugares do mundo. Trens urbanos, metrôs, ônibus e outros modos de transporte coletivo trabalhavam com a média teórica de seis passageiros por metro quadrado, mas chegavam a insuportáveis 9/m2 em algumas cidades brasileiras, números obviamente incompatíveis com o distanciamento social exigido pelas autoridades de saúde. Mas, alertam os especialistas, a pandemia apenas colocou a nu um problema crônico: transporte público não pode depender apenas da tarifa paga pelo usuário. É preciso criar mecanismos para ampliar o financiamento desses sistemas de transporte, vitais para as cidades. Sem eles, as cidades morrem. 

Uma boa notícia veio de Porto Alegre, onde a Câmara Municipal aprovou o projeto de lei que autoriza a concessão de subsídio tarifário ao transporte público da cidade. O subsídio previsto no projeto se dará em "aporte financeiro para custeio do serviço de transporte coletivo, com a finalidade de diminuir ou isentar o valor da tarifa cobrada dos usuários e incentivar a utilização do transporte público". Taxas e tarifas sobre o uso do automóvel particular estão previstas como forma de viabilizar a inovação, que depende agora do aval do novo prefeito eleito. Vamos acompanhar e esperar que o exemplo se multiplique.

E com esta, finalizamos nossas atividades em 2020. Voltaremos à ativa na terceira semana de janeiro, salvo notícias extraordinárias que mereçam uma interrupção em nossas férias. Aproveitem as festas, dentro dos limites possíveis, é claro :-) 
Até 2021!

Equipe Mobilize Brasil


Veja mais fotos de veículos decorados para as Festas

 

Leia também:
Médicos brasileiros lançam carta contra a poluição veicular
Ciclocidade lança 5 cadernos sobre bicicletários
Acordo prevê mais ônibus elétricos para SP
Jornalista pedala 300 km por semana para entregar tortas


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário