Ainda sobre o acidente com o carro autônomo da Uber

Fabricante de sensor da Uber nega culpa da tecnologia no acidente com carro nos EUA. Enquanto isso, concorrente (Waymo) declara que seu sistema seria capaz de evitá-lo

Notícias
 

Fonte: Tecmundo/ Terra  |  Autor: Mobilize Brasil  |  Postado em: 26 de março de 2018

Sistema Lidar de sensor da Uber: capaz de evitar a

Sistema Lidar de sensor da Uber: capaz de evitar acidentes?

créditos: Uber/ Divulgação

Se você vem acompanhando o caso do veículo autônomo da Uber, que recentemente atropelou e matou a pedestre Elaine Herzberg, de 49 anos, na cidade de Tempe, nos Estados Unidos, provavelmente sabe que muitos estão lutando para definir quem foi o “culpado” do acidente. Teria sido a vítima, que atravessou a rua em uma área mal iluminada? Teria sido o motorista, que mantinha parte de sua atenção fora das ruas no momento do incidente? Seja como for, a culpa não seria dos sensores do carro.

 

Ao menos é isso o que afirma a Velodyne, fabricante do sistema Lidar (um radar de alta precisão que utiliza tecnologia laser para “ver” seus arredores) usado em boa parte dos automóveis autônomos da Uber. Em uma declaração ao site Bloomberg, a presidente da Velodyne, Marta Thoma Hall,  defendeu seu radar, afirmando que a escuridão do cenário não deveria ter afetado seu funcionamento. Lembrando que o carro da Uber estava ligeiramente acima do limite de velocidade, mas não teria freado antes da colisão, o que seria indício de falha nos sensores, segundo especialistas. 

 

Sensores Lidar, na parte externa do carro, no capô, geram um mapa em 3D que mostra quaisquer objetos do entorno  

 

Concorrência

E, embora relatórios policiais preliminares tenham isentado a Uber de responsabilidade sobre o acidente, já há quem aponte o dedo para a tecnologia adotada neste caso na defesa de seu próprio sistema, tido como mais eficiente. E o que afirmou o CEO da Waymo, John Krafcik, ao declarar que a tecnologia que está sendo desenvolvida para a sua empresa pela subsidiária da Alphabet é robusta o bastante para evitar incidentes desse tipo.

 

Em sua primeira declaração pública desde o acidente, o executivo disse que seu sistema seria capaz de lidar com o incidente de maneira melhor, sem causar um acidente. 

 

O CEO não comentou se a companhia iria modificar seus planos de testes e experimentos com a tecnologia. É o que fizeram a Uber e a Toyota, que suspenderam seus trabalhos em vias públicas onde têm autorização enquanto aguardam o resultado de investigações e também um entendimento do que aconteceu. Para a Waymo, entretanto, o cronograma segue adiante, com os veículos da empresa rodando nas 25 cidades - a maioria delas na Califórnia - em que recebeu autorização para fazer isso.

 

Leia também:
Uber suspende programa de carros autônomos após acidente nos EUA
Após décadas, as ruas dos EUA voltam a ficar mais perigosas aos pedestres
Estudos nos EUA mostram que Uber e Lyft vêm piorando o trânsito
Difíceis decisões de um carro autônomo


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Enquetes
Enquete Você deixaria o carro em casa, e até o transporte público, se as calçadas de sua cidade fossem melhores para caminhar?