Poluição dos carros mata 2 milhões de pessoas por ano

Estudo sobre o assunto será divulgado hoje (23) em São Paulo, em evento na Câmara Municipal

Notícias
 

Fonte: Instituto Saúde e Sustentabilidade  |  Autor: Da redação  |  Postado em: 23 de setembro de 2013

Poluição em SP no inverno

Fim de tarde em SP: 95% dos poluentes saem dos veículos

créditos: Wikipedia

 

São Paulo perde 4.655 vidas por ano por causa da poluição do ar, que acarreta de doenças cardiorrespiratórias a câncer do pulmão. O número é três vezes maior do que o de mortes causadas por acidente de trânsito (1.556) no mesmo período. No estado paulista, as mortes por poluição chegam a 15 mil.

 

Os resultados estão na pesquisa “Avaliação do impacto da poluição atmosférica sob a visão da saúde no Estado de São Paulo”, de autoria da médica Evangelina Vormittag, presidente do Instituto Saúde e Sustentabilidade. O trabalgo será apresentado hoje (23) durante seminário no Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo. O estudo contou com a participação dos professores Paulo Saldiva, da Faculdade de Medicina da USP e sua equipe, e Cristina Guimarães Rodrigues, da Faculdade de Economia e Administração da USP.

 

O excesso de veículos, que causa enormes congestionamentos, agrava o problema: 95% da poluição atmosférica é provocada pelos veículos movidos a combustíveis fósseis. A amostragem inclui informações coletadas de 2006 a 2011, que foram analisadas e comparadas com os níveis considerados seguros pela Organização Mundial da Saúde.

 

“No corpo humano, essa partícula tem efeitos causadores de doenças respiratórias, doenças isquêmicas cardiovasculares e cerebrovasculares e câncer de pulmão”, diz Evangelina, em texto enviado à imprensa.

 

Se nada mudar, a poluição por material particulado e ozônio será, até 2050, a principal causa de morte no mundo relacionada ao meio ambiente – segundo relatório de 2012 da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Em 2011, a poluição atmosférica foi responsável pela morte de 2 milhões de pessoas no mundo  (65% na Ásia), um crescimento mais de 200% acima ao registrado dez antes, quando o número era de 800 mil. A Europa registra 310 mil mortes prematuras por ano devidoà poluição, com um custo entre 427 e 790 bilhões de euros.

 

Entre as doenças relacionadas à má qualidade do ar estão arritmias e infarto agudo do miocárdio, bronquite crônica e asma, pneumonia, câncer de pulmão e até mesmo depressão.

 

No Brasil, com a inspeção veicular aplicada em dez anos, evita-se a morte de 156 mil pessoas e gastos públicos na ordem U$ 212 milhões. Caso todos os ônibus a diesel passassem a usar etanol, haveria redução de 4.588 casos de internação hospitalares e 745 casos de morte por ano, o que equivale à diminuição dos gastos públicos em U$ 1,4 bilhão por ano.

 

Anote:
Seminário “Mobilidade Urbana e Poluição do Ar: a visão da saúde”
23 de setembro, a partir das 17h30
Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo - Viaduto Jacareí, 100
Inscrições no site Virada da Mobilidade: migre.me/fTKOy


Leia também:

Corredor e faixa de ônibus também são armas antipoluição 
Hong Kong lança ônibus elétrico para reduzir poluição 
Poluição do ar em SP seria 30% maior se metrô não existisse, sugere estudo 



  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário