Conselho pede por direitos da pessoa com deficiência em ônibus de BH

Conselho dos Direitos da Pessoa com Deficiência publica recomendação no DOM exigindo fim dos ônibus sem cobradores e adequação das plataformas elevatórias nos veículos

Notícias
 

Fonte: Mobilize Brasil  |  Autor: Regina Rocha/ Mobilize*  |  Postado em: 27 de março de 2019

Contra a lei, ônibus em BH estão circulando sem co

Contra a lei, ônibus em BH estão circulando sem cobrador

créditos: R7/ Reprodução

Nesta terça-feira (26) o Diário Oficial do Município de Belo Horizonte publicou as recomendações, aprovadas pelo Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de BH (CMDPD-BH) há duas semanas, pedindo a garantia da acessibilidade às pessoas com mobilidade reduzida no transporte público da cidade. 

 

No texto, que formaliza o pedido do CMDPD ao poder público, os conselheiros apontam as dificuldades  que têm sido enfrentadas por essa parcela da população no embarque e desembarque dos ônibus, devido sobretudo a dois problemas: a ausência dos agentes de bordo (ou cobradores, que as empresas de ônibus da capital retiraram no ano passado e que é previsto em lei municipal de 2012) e a inoperância das plataformas elevatórias, ou elevadores hidráulicos, dos veículos do transporte coletivo. 

 

Na matéria, é observado que a acessibilidade - a segurança e autonomia no transporte - é ainda mais comprometida quando o passageiro é alguém que utiliza cadeira de rodas. Os elevadores hidráulicos, em muitos casos, estão em desacordo com as diretrizes da Lei Brasileira de Inclusão (LBI) e, mesmo se o equipamento estiver em ordem, o cadeirante precisará necessariamente do agente de bordo para manuseá-lo enquanto o passageiro ingressa ou sai do ônibus.  

 

Duas recomendações são feitas no documento do CMDPD-BH: uma dirigida aos que se sentirem prejudicados, para que formalizem suas denúncias junto aos órgãos públicos competentes. E outra, à Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência do Ministério Público de Minas Gerais, na qual se solicita que a apuração das responsabilidades pelo descumprimento dos requisitos de acessibilidade garantidos na legislação brasileira seja feita com maior celeridade.

 

Para ler na íntegra a recomendação do CMDPD-BH no Diário Oficial, clique aqui.

 

*Pauta sugerida por Guilherme Tampieri, colaborador do Mobilize 


Leia também:
Mobilidade ainda não é prioridade em BH, aponta relatório
Em BH, mais tempo para atravessar
Frota adaptada a deficientes não é cumprida em 88% das cidades
Ação no Move em BH mostra dificuldade de acesso aos deficientes

 

 


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.