Pais de alunos protestam por falta do transporte escolar em Porto Velho

Sem o serviço de ônibus e barcos, quase 4 mil crianças de áreas rurais e ribeirinhas ainda não iniciaram o ano letivo em Rondônia. Protesto hoje (9) fechou a BR-364

Notícias
 

Fonte: Rondoniaovivo  |  Autor: Rondoniaovivo/ Mobilize (edição)  |  Postado em: 09 de abril de 2019

Alunos de áreas ribeirinhas de Porto Velho: sem tr

Alunos de áreas ribeirinhas de Porto Velho: sem transporte

créditos: Oswaldo Forte/ Comus

O ano letivo em áreas rurais e ribeirinhas de Porto Velho (RO), que tinha início previsto para 1º de abril,  ainda não começou em várias escolas porque estão as lanchas e ônibus que fazem o serviço de levar os alunos está inoperante desde o ano passado.  

 

O imbróglio envolve prefeitura e empresas que não entram em acordo para fechar o contrato do serviço de transporte escolar rural e fluvial em Porto Velho. Até momento, mais de três mil crianças estão sem condições de iniciar o ano letivo de 2019. Em outras oito escolas, sequer foi possível terminar o calendário de 2018. 

 

A falta do serviço atinge cerca de 2,2 mil alunos de localidades mais afastadas, como a região da Ponta do Abunã, a cerca de 300 km de Porto Velho. A área integra os distritos portovelhenses de Fortaleza do Abunã, Vista Alegre, Nova Califórnia e Extrema de Rondônia.

 

Bloqueio na BR-364

Na manhã desta terça-feira (9), cansados de tanta indefinição, pais de alunos de Ponta do Abunã se revoltaram e promoveram um protesto que fechou a BR-364, à altura do distrito de Extrema de Rondônia.

 

Em manifesto público, pais reclamam da ingerência municipal que deixou aproximadamente 4 mil crianças sem condições de iniciarem os estudos pela falta do transporte escolar.

 

Desde o início da gestão de Hildon Chaves (PSDB), o Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia (Sintero) vem cobrando providências à Prefeitura de Porto Velho. Também não foi cumprida uma recomendação do Ministério Público de Rondônia, já que a prefeitura decidiu pedir novo prazo para resolver o impasse com as prestadoras do serviço. 

 

De acordo com a imprensa local, o contrato do transporte já havia sido acertado, porém os ônibus da empresa vencedora do certame licitatório não iniciou o trabalho, conforme previsto no calendário escolar.

 

Leia também:
"Quase 90% das calçadas de Porto Velho estão fora da norma"
Cidade turca dá bicicleta a crianças, para se tornar mais sustentável
No Maranhão, campanha combate o pau de arara no transporte escolar
Crianças farão avaliações de caminhabilidade em SP


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.