"Para construir as cidades do futuro, temos que sair dos nossos carros"

Reestruturar áreas urbanas saudáveis significa reparar os danos deixados em comunidades destruídas pelo automóvel, diz o urbanista Peter Calthorpe

Notícias
 

Fonte: National Geographic/Edição Mobilize  |  Autor: Robert Kunzig / National Geographic  |  Postado em: 12 de abril de 2019

Xangai, na China

Xangai, na China: plano é reduzir a frota de automóveis

créditos: Foto: Andrew Moore

Cidades foram feitas para agrupar pessoas. No entanto, na segunda metade do século 20, aconteceu exatamente o contrário e os territórios urbanos foram espalhados, explica o urbanista Peter Calthorpe. 

 

Na década de 1990, Calthorpe ajudou a convencer as autoridades de Portland, nos EUA, a construírem uma linha de VLT (veículo leve sobre trilhos) em vez de mais uma via expressa – e também a adotarem um zoneamento que concentrasse residências, escritórios e estabelecimentos comerciais ao longo do percurso. O “desenvolvimento urbano com base no transporte coletivo” firmou a sua reputação como um urbanista visionário.

 

O conceito não é uma ideia nova, conta Calthorpe, e sim um chamado para “a gente reinventar os antigos subúrbios servidos por linhas de bonde, em que havia núcleos comerciais fabulosos e áreas para caminhadas, tudo interligado pelo transporte público”. 


O transporte público é a chave: ele teria de ser rápido e muito acessível. Agora, pensando em cidades do mundo inteiro, porém, Calthorpe não está propondo nenhum sistema de VLT. Ficaria caro demais, diz ele, e outras tecnologias, mais eficientes, estão prestes a chegar. Uma delas é o terror de muitos planejadores urbanos: os veículos autônomos, que dispensam os condutores humanos. Se ficarem nas mãos dos indivíduos ou de empresas como a Uber, avalia Calthorpe, os veículos autônomos só vão contribuir para o aumento da dispersão urbana.

 

Em vez disso, ele vislumbra o aproveitamento dessa tecnologia em prol das comunidades. No centro do El Camino, em pistas separadas e arborizadas, ele sugere a adoção de micro-ônibus que circulariam sem condutores. Eles chegariam aos pontos de parada com intervalos de poucos minutos, ultrapassariam uns aos outros quando necessário e fariam poucas paradas, pois um aplicativo reuniria os passageiros com os mesmos destinos. Em suas faixas exclusivas, esses veículos robotizados não correriam o risco de atropelar ninguém.

 

Leia o artigo completo no site da National Geographic

 

Leia também:
Russos desenvolvem VLT autônomo
Metrô de Xangai passa a ser primeiro com mais de 500 km
Na China, uma estrada elevada só para mobilidade sobre duas rodas
Uber suspende programa de carros autônomos após acidente


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.