Mapa colaborativo traz dados da infraestrutura cicloviária no país

CicloMapa, plataforma criada por UCB e ITDP, traz dados georreferenciados de ciclovias, ciclofaixas, ciclorrotas e faixas compartilhadas nas cidades brasileiras

Notícias
 

Fonte: Archdaily/ ITDP  |  Autor: Romullo Baratto  |  Postado em: 13 de fevereiro de 2020

Mapa colaborativo abrange a rede cicloviária no Br

Mapa colaborativo abrange a rede cicloviária no Brasil

créditos: Semplan

Ao longo de 2019, o ITDP e a União de Ciclistas do Brasil (UCB) trabalharam em conjunto para disponibilizar um mapa que facilita e amplia o acesso a dados sobre a infraestrutura cicloviária nas cidades brasileiras. Em setembro do ano passado, o público votou no nome que seria dado à plataforma, e o CicloMapa foi lançado no Fórum Nordestino da Bicicleta (FNEBici), em Aracaju.

 

O CicloMapa tem como objetivo estimular o mapeamento colaborativo para aumentar a disponibilidade de dados georreferenciados de ciclovias, ciclofaixas, ciclorrotas e calçadas compartilhadas. Para isso a plataforma usa os dados disponíveis no OpenStreetMap, que é considerado o maior banco de dados abertos de mapas do mundo. Também é possível fazer o download dos dados de forma simplificada para manipulação em softwares de informações geográfica e programação.

 

Tela com dados do CicloMapa relativos à infraestrutura cicloviária na cidade de São Paulo. Imagem: Reprodução

 

Por meio dessa iniciativa, as organizações buscam gerar informações que possam embasar políticas públicas de mobilidade urbana. De acordo com Bernardo Serra, gerente de políticas públicas do ITDP (Instituto de Políticas de Transporte & Desenvolvimento), “a iniciativa é fundamental para aumentar a disponibilidade de dados sobre a infraestrutura cicloviária a partir da experiência real de pessoas que circulam nas cidades brasileiras. A partir desses dados será possível promover debates mais fundamentados sobre políticas para a ciclomobilidade no país”.

 

“Em 2018 verificamos que os dados publicados por muitas prefeituras estavam mais desatualizados do que o mapeamento realizado por voluntários no OSM. Por isso, outro importante objetivo do CicloMapa é fomentar essa prática por meio de tutoriais de mapeamento que apoiem o trabalho de mapeadores no país”, explica o coordenador do projeto pela UCB, Felipe Alves.

 

Durante a transmissão ao vivo, Ludmila Bandeira, coordenadora de articulação e gestão da Secretaria de Mobilidade (Semob) no Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), também mencionou o potencial de uso da ferramenta na construção de políticas públicas cicloviárias: “Existe um conjunto de dados gerados a partir do CicloMapa que poderão orientar a nossa atuação”. Segundo a economista, há várias frentes em que a Secretaria trabalha que podem utilizar a ferramenta como fonte de informação para indicadores de efetividade da política nacional de mobilidade urbana e seu potencial uso na Pesquisa Nacional de Mobilidade.

 

Os dados do CicloMapa também serão úteis para calcular indicadores como o percentual da porcentagem de estações de transporte e de pessoas que vivem próximas à infraestrutura cicloviária na MobiliDADOS, plataforma do ITDP que fornece indicadores de mobilidade urbana.

 

Mais informações sobre o CicloMapa podem ser acessadas no site da UCB.


Parceria: 

 


Leia também:
Observatório da Bicicleta, a nova plataforma em defesa da ciclomobilidade
Como aumentar o uso da bicicleta nas cidades brasileiras?
OpenCycleMap, o mapa das ciclovias do mundo
Mapa do Plano Cicloviário do Rio de Janeiro
Curitiba quer construir mais 200 km de ciclovias até 2025


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.