China projeta cidade do futuro. Sem carros

"Great City" é a cidade ecológica e sustentável que a China está construindo como modelo para todo o país

Notícias
Fotos
 

Fonte: www.menosumcarro.pt  |  Autor: Da redação  |  Postado em: 01 de março de 2013

Great City, cidade do futuro. Sem carros.

Great City, cidade chinesa do futuro. Sem carros

créditos: Adrian Smith + Gordon Gill Architecture

 

Great City é a nova cidade ecológica e sustentável que a China está construindo como modelo para todo o país. 100% livre de automóveis, o centro urbano em construção pretende provar que é possível combinar uma elevada densidade populacional com o respeito ao ambiente. A construção deverá estar completa por volta de 2021.

 

O projeto está sendo desenvolvido pelo escritório de arquitetura Adrian Smith + Gordon Gill Architecture, dos Estados Unidos, segundo informações do site WebUrbanist. “Desenhamos uma cidade verticalizada, densa, que reconhece e aceita a paisagem envolvente”, explica Gordon Gill, um dos responsáveis pelo projeto. “A Great City vai demonstrar que a concentração populacional não tem de alienar as pessoas do ambiente”, acrescenta, ao lembrar que a cidade terá apenas 1,3 quilômetros quadrados e população de mais de cem mil pessoas.

 

Segundo os arquitetos, a distância de qualquer ponto da cidade a outro ponto será de cerca de 15 minutos a pé. Um passeio até ao centro a partir de qualquer área da Great City não demorará mais de 10 minutos, o que vai incentivar a preferência pelas caminhadas em detrimento das viagens de carro. Os automóveis deverão ser apenas a escolha de quem pretender fazer longas viagens, fora da cidade.

 

De acordo com as previsões, a Great City deverá usar 48% menos energia e 58% menos água do que uma cidade convencional com o mesmo número de habitantes. Também produzirá 89% menos resíduos e menos 60% de emissões de carbono, segundo os arquitetos.


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Rodrigo - 17 de Março de 2013 às 14:58 Positivo 0 Negativo 0

Isso tudo não significa que as pessoas não terão carros para locomoções de emergência, significa que elas terão carros, mas farão preferência à caminhada ou mesmo andar de bicicletas em situações normais. Incentiva o "apreciar o belo do planeta".

Hélio Cezar Koury Filho - 09 de Março de 2013 às 19:57 Positivo 4 Negativo 0

Raio máximo de 2,6 km é o ideal para mobilidade pedestre. Não significa que não seja possível locomoção com bicicleta ou veículos elétricos pequenos para emergência. Até cadeiras de rodas manuais são viáveis p/ pessoas  com baixa mobilidade.

Patrícia Baptista - 05 de Março de 2013 às 15:31 Positivo 2 Negativo 8

humm, jóia. E transporte público? Ambulância? Bombeiros? As pessoas idosas, debilitadas, grávidas de 9 meses vão ficar caminhando por aí? E numa emergência de hospital, em que a pessoa não possa caminhar?

Clique aqui e deixe seu comentário