Patinetes elétricos da americana Lime chegam a SP e Rio

Empresa de compartilhamento de patinetes elétricos opera em mais de 100 cidades no mundo. Serviço começa hoje (2) na capital paulista e na quinta (4) no RJ

Notícias
 

Fonte: Tecnoblog  |  Autor: Paulo Higa  |  Postado em: 02 de julho de 2019

Mais um serviço de patinetes entra na concorrência

Mais um serviço de patinetes entra na concorrência por aqui

créditos: Lime/ Divulgação

A empresa americana Lime inaugurou nesta terça-feira (2) seu serviço de compartilhamento de patinetes elétricos na cidade de São Paulo. Em seguida, os patinetes verdes chegam ao Rio de Janeiro, a partir de quinta-feira (4).

 

Neste momento em que as prefeituras trabalham para regulamentar o serviço, a empresa americana, que já opera em mais de 100 cidades no mundo, entra no Brasil para competir principalmente com a Grow, a fusão da Grin e Yellow. 

 

A área de atuação da Lime na capital paulista é quase a mesma das outras marcas, sendo concentrada em bairros nobres da zona sul e zona oeste. No lançamento, “alguns milhares” de patinetes elétricos serão encontrados nos bairros de Pinheiros, Itaim Bibi, Jardins, Vila Olímpia, Vila Nova Conceição e Brooklin. Já no Rio de Janeiro, a cobertura será no trecho Leme-Gávea, nas praias da zona sul.

 

Os preços também são parecidos. Depois de abrir o aplicativo, localizar o patinete elétrico e escanear um QR Code, o custo é de R$ 3 para desbloquear o veículo e mais R$ 0,50 por minuto rodado. O pagamento pode ser feito em cartão de crédito ou com créditos pré-pagos, sendo que há bônus para recargas a partir de R$ 20.

 

Regras

Em São Paulo, a prefeitura impôs regras mais rígidas para os serviços de patinetes elétricos: o uso do capacete passa a ser obrigatório, como já acontecia com as bicicletas elétricas; a circulação não é permitida em calçadas, apenas em ciclovias, ciclofaixas, ciclorrotas e ruas com limites de velocidade de até 40 km/h; e o patinete não poderá ultrapassar 20 km/h.

 

O estado do Rio de Janeiro decidiu seguir por um caminho semelhante: um projeto de lei proíbe a circulação em calçadas; obriga as empresas a fornecerem um capacete de uso obrigatório; e estabelece o seguro obrigatório aos usuários, cobrindo morte por acidente, danos contra terceiros, invalidez parcial ou total, permanente ou temporária. Uma das propostas envolvia a exigência de CNH (Carteira Nacional de Habilitação) ou prova no Detran-RJ, mas o próprio autor, o deputado Alexandre Knoploch (PSL) voltou atrás.

 

A Lime diz que “tem participado das discussões sobre a regulação desse novo modal” e que fará “campanhas nas ruas para conscientização e educação de usuários, motoristas de carros e pedestres sobre a convivência harmônica no trânsito”. A empresa também fechou parcerias com o Grupo Pão de Açúcar para fornecer espaços de estacionamento de patinetes em algumas lojas do Extra, Pão de Açúcar e Minuto.

 

Os aplicativos da Lime estão disponíveis para Android e iOS

 

Leia também:
Procon-SP recomenda redução da velocidade máxima dos patinetes
Sobre pés e patinetes
Após prefeitura de SP recolher patinetes, empresa entra na Justiça
Os novos jeitos de se locomover no Rio de Janeiro
Patinetes elétricos: dúvidas, problemas e soluções do novo modal


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.