Planejamento da mobilidade urbana: a ficha agora caiu?

Planos diretores de mobilidade começam a ser aprovados nas Câmaras Municipais. O desafio agora é tirá-los do papel e renovar os espaços urbanos do Brasil

Notícias
 

Fonte: Mobilize Brasil  |  Autor: Marcos de Sousa  |  Postado em: 17 de abril de 2015

Planejamento da mobilidade urbana: a ficha agora c

Via principal: padrão do plano de mobilidade de Joinville (S

créditos: Reprodução Ippurj


Joinville, maior cidade de Santa Catarina, com cerca de 560 mil habitantes, iniciou o processo de elaboração do Plano de Mobilidade e Acessibilidade (PlanMob) em 2010, antes mesmo da publicação da Lei 12.587 de 2012, que estabeleceu a obrigatoriedade de que municípios com mais de 20 mil habitantes tenham planos diretores de mobilidade.


A cidade catarinense conseguiu terminar o processo em março de 2015, quando foi publicado o Decreto 24.181, após a aprovação da Câmara Municipal. O processo foi conduzido pela Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville (Ippurj) com apoio da organização Embarq, e envolveu quatro etapas: 
 

- Pesquisa Origem Destino (2010)

- Levantamento de dados/Diagnóstico (2012/2014)

- Preparação/definição/procedimentos (2014)

- Elaboração do texto final (2014/2015)
 

O trabalho envolveu uma pesquisa de opinião em escolas, terminais de transportes e no próprio site do PlanMob, além de discussões públicas nas oito regiões administrativas do município, workshops, leituras técnicas para especialistas e apresentações na Câmara. Desse processo saiu o Plano de Mobilidade Sustentável de Joinville, documento que irá nortear os projetos, obras e demais investimentos do município em transporte público. É um documento objetivo, que procura orientar os gestores públicos em nove tópicos principais, com destaque para o transporte a pé, bicicletas, transporte coletivo, transporte de carga, educação, gestão e financiamento, além da hierarquização dos vários tipos de vias públicas.


Joinville é um bom exemplo de planejamento urbano, ao lado de Campina Grande (PB), Florianópolis (SC), São José dos Campos (SP), Rio Branco (AC), Sorocaba (SP), Teresina (PI), Piracicaba (SP) e algumas raras cidades que estão conseguindo concluir seus planos diretores de mobilidade entre março e abril.


Curitiba é um caso à parte: a capital paranaense é uma referência nacional em planejamento urbano e já tem planos cicloviários, de calçadas, e até de um plano de paisagem urbana, como forma de preservar a memória visual da cidade. 


Capitais
, como São Paulo (SP), Porto Alegre (RS) e Rio de Janeiro (RJ) estão desenvolvendo o trabalho e devem concluí-lo nas próximas semanas. São Paulo está concluindo um trabalho interessante, com expressiva participação de ativistas e organizações da sociedade civil, como o Mobilize, e o texto final do plano deve ser fechado nos próximos dias com centenas de acréscimos sugeridos pela população. Daí, segue para a Câmara Municipal, para finalmente se tornar lei.


Outras capitais importantes, como Brasília (DF), Belo Horizonte (MG) e Recife (PE) já tinham planos anteriores, porém não adequados ao conceito de mobilidade sustentável, conforme prevê a Política Nacional de Mobilidade. Assim, espera-se que sejam revisados nos próximos meses. 


Outras ainda, como Ariquemes (RO), Muriaé (MG), Contagem (MG), Blumenau (SC), Aracaju (SE) e Uberaba (MG) ensaiam os primeiros passos para a elaboração do documento, que já é obrigatório. Segundo a Lei 12.587, a obrigatoriedade dos planos de mobilidade entrou em vigência nesta semana e, a partir de agora, todos os municípios que buscarem recursos federais para projetos de mobilidade terão que apresentar o plano discutido e aprovado pelas câmaras municipais.


Em algumas cidades, o processo de elaboração está "no limbo", sem data para conclusão. É o caso de Salvador (BA), Manaus (AM), Natal (RN) e João Pessoa (PB), cidade onde o Ministério Público chegou a fixar um prazo de dez dias (sic) para que a prefeitura apresentasse um plano diretor de mobilidade. Alguém sinceramente acredita nisto?

 


O Ministério das Cidades ainda não tem estatísticas
, mas especialistas que trabalham em planejamento estimam que menos de 10% dos cerca de 1.700 municípios brasileiros com mais de 20 mil habitantes conseguirão concluir o trabalho até o final deste mês de abril.


Há alguns dias, o Ministério divulgou um amplo documento, no qual esclarece uma série de dúvidas sobre o plano. Segundo o texto, além das cidades com mais de 20 mil habitantes, o plano diretor de mobilidade é obrigatório para: 
 

- municípios integrantes de regiões metropolitanas e aglomerações urbanas;
 

- municípios integrantes de áreas de especial interesse turístico;

 

- municípios inseridos na área de influência de empreendimentos ou atividades com significativo impacto ambiental de âmbito regional ou nacional;

 

- municípios incluídos no cadastro nacional de municípios com áreas suscetíveis à ocorrência de deslizamentos de grande impacto, inundações bruscas ou processos geológicos ou hidrológicos correlatos.     

 

- municípios onde o poder público municipal pretenda utilizar os instrumentos  previstos no parágrafo 4º do art. 182 da Constituição Federal, que trata do uso social do solo urbano.



 

Leia também: 
Como está o Plano de Mobilidade em sua cidade? 
São Paulo quer mais calçadas, ciclovias e um trânsito "mais calmo"
Mesmo sem plano de mobilidade, obras em andamento não serão interrompidas
Em Porto Alegre, audiência pública debate Plano Diretor de Mobilidade Urbana 
Prefeitura de SP recebe sugestões para melhorar a mobilidade a pé
Salvador ainda não iniciou plano de mobilidade 

São Paulo deve concluir plano de mobilidade em abril ou maio 
São José dos Campos: plano de mobilidade entra em debate 
Teresina: plano diretor inclui bike, calçadas e até arborização  


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.