Brasilia Para Pessoas

17
fevereiro
Publicado por Brasília no dia 17 de fevereiro de 2016

Texto e fotos: Uirá Lourenço

 

DSCN6222_15-03-2015_Protesto_Via_Atras_Museu_Calcada_Carros_Invasao_edit

 

Neste ano que termina nada se viu de mudança na mobilidade em Brasília. Na verdade o que se viu foi o avanço da imobilidade, decorrente do aumento da frota motorizada, da falta de ações efetivas de melhorias nos modos coletivos e saudáveis de transporte e do desrespeito no trânsito.

 

O transporte coletivo ficou ainda mais caro, sem qualquer ganho em conforto e segurança. O bilhete único ainda é apenas uma promessa distante de campanha. As queixas dos usuários de ônibus enchem as seções de leitores dos jornais e as redes sociais, como se pode ver na seção “Queixas da Imobilidade” deste blog. A A EPTG (“Linha Verde”), símbolo maior da imobilidade, continua cinza e caótica. Quem se aventura de ônibus continua aprisionado no engarrafamento, pedestres e ciclistas continuam em risco, expostos à lama e ao intenso fluxo motorizado.

 

DSCN2499_03-07-2015_AsaNorte_Eixao_Ponto Onibus_lotado_edit DSC03979_28-07-2015_EPIG_PontoOnibus_Sem Abrigo_edit

Pontos de ônibus lotados e sem abrigo: desconforto diário no DF

 

O programa do atual governador é recheado de objetivos bem intencionados:

– “Priorizar o transporte não motorizado em relação ao motorizado e o motorizado coletivo em relação ao individual.”,

– “Promover o funcionamento sistêmico do transporte público, com o objetivo de tornar atrativo o transporte coletivo.”,

– “Promover o uso de veículos movidos a combustíveis renováveis e pouco poluentes, como biocombustíveis e veículos elétricos.”,

– “Ampliar o uso de bicicletas para deslocamentos diários casa-trabalho e casa-escola.”

– “Facilitar o uso das calçadas pelos pedestres.”

– “Promover acessibilidade para as pessoas com deficiência ou dificuldades de locomoção.”

 

Como diz a expressão, de boas intenções o inferno está cheio. Não basta o bonito plano assinado, precisa-se de ações efetivas, de vontade política para mudar o atrasado e vergonhoso modelo de transporte. E as obras anunciadas em 2015 confirmam o atraso do governo atual, ao manter o foco na fluidez motorizada, com ampliação de vias e construção de viadutos.

 

Para piorar se mantêm os altos limites de velocidade nas vias. Ao contrário da tendência mundial de humanizar as vias e de reduzir os limites de velocidade (no Brasil, São Paulo vem reduzindo o limite de velocidade há alguns anos), não há programa amplo de redução da velocidade no Distrito Federal, o que compromete ainda mais a insegurança de todos, especialmente de quem caminha e pedala.

 

Projetos rodoviaristas de governos anteriores continuam como prioritários. As imagens de dois projetos mantidos pelo atual governo (ampliação do Eixão Norte e da ponte do Bragueto e construção de túnel em Taguatinga) revelam o viés rodoviarista. Na ilustração não aparece nada além de carros, sequer um ônibus, ciclista ou pedestre.

 

der_projeto_ttn_06  Tunel Taguatinga_Projeto_Video_print screen_Imagem 17_edit

Projetos rodoviaristas:  ampliação do Eixão Norte e da ponte do Bragueto; construção de túnel em Taguatinga (Imagens: DER-DF)

 

Se o governo anterior quis emplacar a ideia de “Brasília, capital das ciclovias”, este parece querer emplacar a ideia de “Brasília, referência em respeito ao pedestre”. Mas basta uma curta caminhada pelo Plano Piloto para constatar a imobilidade: crateras, bloqueios e ausência de calçadas compõem o cenário sombrio a quem caminha. As pistas para circulação de veículos motorizados costumam estar em bom estado; entretanto, as calçadas, quando existem, estão em estado deplorável.

 

DSCN2252_03-07-2015_AsaNorte_W3_Calcada_destruida_Carros_Pedestre_edit DSCN9214_14-10-2015_AsaSul_SRTVS_Calcada_destruida_Carros_Invasao_SELECAO_edit

Crateras e invasão por carros de calçadas na Asa Norte e na Asa Sul

 

DSCN1422_06-11-2015_AsaNorte_W3_Rampa_Carros_Bloqueio_Pedestre_SELECAO_edit DSCN9705_10-06-2015_AsaNorte_W5_UniCEUB_Rampa_Carro_Bloqueio_edit

Rampas bloqueadas: desrespeito diário impede a passagem de pedestres

 

A contradição entre a propaganda governamental e a realidade fica evidente na sede do Poder Executivo local. Na reforma da calçada em frente ao Palácio do Buriti, deixou-se uma cratera intransponível a poucos metros da calçada reformada, o que demonstra falta de visão integrada. Falta aos gestores públicos ver a mobilidade de forma ampla, com caminhos contínuos, seguros e confortáveis. Na sede do Poder Legislativo local também impera a inacessibilidade, com calçadas destruídas e rampas diariamente bloqueadas.

 

Noticia_Secretaria Mobilidade_Respeito Pedestre_Referencia Nacional_29-05-2015_2Propaganda do GDF, com foto ao lado do Palácio do Buriti (29/5/2015)

 

DSCN1089_23-06-2015_EixoMonumental_TCDF_Calcada_destruida_Pedestres_Cratera_SELECAO_editFoto no mesmo local do anúncio governamental revela cratera na calçada

 

DSCN8081_03-08-2015_CLDF_Calcada_destruida_Pedestre_Muleta_SELECAO_edit DSCN2777_19-11-2015_CLDF_Rampa_Bloqueio_Pedestres_SELECAO_edit

Calçada destruída e bloqueio de rampa nos arredores da CLDF

 

Fiquemos atentos em 2016. Se continuarem os projetos e ações rodoviaristas, o governador apenas manterá a visão atrasada dos governos anteriores, contribuindo para saturar de vez as vias e os espaços públicos. Mais canteiros, calçadas e praças serão convertidos em pistas e estacionamentos. E se consolidará a imagem de Brasília composta por cabeça, tronco e rodas (4 rodas).

 

O atual governo pode, por outro lado, reverter o quadro de imobilidade e priorizar efetivamente o transporte coletivo e os modos saudáveis de locomoção (como previsto na política nacional de mobilidade urbana e no programa do governador Rollemberg). Neste caso, deixará uma marca na cidade, um legado. Com planejamento inteligente das obras e ações em mobilidade urbana, priorizando pessoas e segurança no trânsito, em vez de automóveis e fluidez motorizada, caminharemos no rumo da mobilidade sustentável, justa e moderna.

 

____________________________

Mais fotos da imobilidade no DF no álbum virtual: https://picasaweb.google.com/112427601743437901602/ImobilidadeDF



Compartilhe

Comente

Seu e-mail nunca é exibido. Campos obrigatórios são marcados *

*
*
*


Busca no Blog
Com a palavra...
Irene Ana Paula Borba
Arquiteta e Urbanista. Mestre e Doutora em Transportes (UnB e UL - Lisboa). Professora do UniCEUB (Centro Universitário de Brasília). Pesquisadora Colaboradora do Instituto Superior Técnico (IST - Lisboa). Pesquisadora Responsável pelo Grupo de Pesquisa PES Urbanos (Pesquisa em Espaços Sociais Urbanos) vinculado ao CNPq. A paixão por andar a pé existe desde sempre, mas se ampliou na academia (após a leitura de muitos teóricos como Jane Jacobs e Jan Gehl - seus maiores inspiradores) e após a finalização da tese de doutorado (em que estudou em profundidade o pedestre), decidiu aliar a teoria à prática. Tornou-se, coorganizadora do Jane's Walk em Brasília e colaboradora do Mobilize. E hoje é conhecida como Paulinha Pedestre.

Irene Uirá Lourenço
Servidor público e ambientalista. Usa bicicleta no dia a dia há 15 anos e, por opção, não tem carro. A família toda pedala, caminha e usa transporte coletivo. Tem como paixão e hobby a análise da mobilidade urbana, com foco nos modos saudáveis e coletivos de transporte. Com duas câmeras e o olhar sempre atento, registra a mobilidade em Brasília e nas cidades por onde passa. O acervo de imagens (fotos e vídeos), os artigos e estudos produzidos são divulgados e compartilhados com gestores públicos e técnicos, na busca de escapar do modelo rodoviarista atrasado e consolidar o modelo humano e saudável de cidade. Atualmente é voluntário do Bike Anjo, colaborador do Mobilize e coorganizador do Jane’s Walk em Brasília.
Posts mais lidos
Categorias
Arquivo

Realização
Associação Abaporu
Desenvolvimento
MSZ Solutions
Comunicação
Mandarim Comunicação
Patrocínio
Itau

Allianz
Apoio
Ernst & Young
Prêmio
Empreendedor Social
Prêmio Empreendedor Social