"Cuiabá: modernização da cidade excluiu o pedestre"

Grupo de Pesquisa Épura, da Universidade Federal de Mato Grosso, fará as avaliações de caminhabilidade na capital do Centro-Oeste

Notícias
Fotos
 

Fonte: Mobilize Brasil/Épura  |  Autor: Marcos de Sousa/Mobilize Brasil  |  Postado em: 13 de março de 2019

Cuiabá: calçadas em áreas renovadas para a Copa de

Cuiabá: calçadas em áreas renovadas para a Copa de 2014

créditos: Arquivo Épura - Divulgação Secopa Cuiabá

Em Cuiabá (MT), o grupo de pesquisa Épura assumiu a tarefa de coordenar as atividades da Campanha Calçadas do Brasil. Leitora atenta do Mobilize Brasil e entusiasta da mobilidade ativa, a professora Doriane Azevedo levou a proposta para seus alunos, na Faculdade de Arquitetura, Engenharia e Tecnologia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). "Eles ficaram muito empolgados com a oportunidade de avaliar a caminhabilidade aqui em Cuiabá. E a ideia ajusta-se perfeitamente às pesquisas que desenvolvemos no Grupo de Pesquisa e Extensão  - Estudos de Planejamento Urbano e Regional (Épura). Os alunos gostaram da estrutura de avaliação sugerida e, como tinhamos um bom tempo, aproveitamos para realizar uma discussão mais mais ampla sobre mobilidade e caminhabilidade", justificou Doriane.

 

Em 2011 e 2012, lembra ela,  o Épura realizou um trabalho de levantamento de indicadores urbanos em todas as cidades da região metropolitana que inclui a capital e mais a vizinha Várzea Grande, Nossa Senhora do Livramento, Santo Antônio do Leverger, além dos municípios de Acorizal, Barão de Melgaço, Chapada dos Guimarães, Jangada, Nobres, Nova Brasilândia, Planalto da Serra, Poconé e Rosário Oeste. "Nessa atividade os estudantes vivenciaram a experiência de caminhar em todas os municípios. Depois, ampliamos a análise para a região das Nascentes do Pantanal, Cáceres e Rondonópolis.

 

A Campanha
As atividades da Campanha Calçadas do Brasil foram iniciadas na semana passada, logo depois do Carnaval, com uma série de encontros: uma palestra sobre Mobilidade Urbana e a seleção preliminar dos locais a serem avaliados; e uma segunda palestra sobre Transporte Ativo e Caminhabilidade, com a leitura e análise do formulário de avaliação proposto pelo Mobilize. No sábado próximo (16), o grupo fará uma ação experimental para avaliar a caminhabilidade nos acessos ao Campus da UFMT, com a discussão das dúvidas existentes. Em seguida, em outra reunião, devem definir os locais a serem avaliados na cidade de Cuiabá. O trabalho de avaliação será realizado entre 16 e 30 de março, prevê Doriane Azevedo.

 

Veja a apresentação (clique) preparatória da Campanha Calçadas do Brasil em Cuiabá

 

 
Reunião preparatória: estudantes e professores de arquitetura selecionam locais para as avaliações

 

A cidade
Hoje a Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá reúne uma população estimada em 1.032.714 pessoas (IBGE/2018), das quais 608 mil vivem na capital e 282 mil em Várzea Grande. A capital, Cuiabá, tem sua história intimamente ligada ao ciclo bandeirista e à exploração de minérios. Não por acaso, uma das principais vias da cidade leva o nome de um bandeirante de Sorocaba (SP), Miguel Sutil de Oliveira, que descobriu ouro na região em 1772. 

 

A povoação conheceu alguns picos de desenvolvimento, mas foi somente após a Guerra do Paraguai (1864-1870) que a vila se tornou um porto importante pela conexão com a bacia do Prata e a cidade de Buenos Aires, na Argentina. Mais tarde, com a construção das rodovias, nos anos 1960, a cidade experimentou um "ciclo de modernização", especialmente nos anos 1970, com um "ímpeto de destruição de tudo o que era considerado antigo", lamenta Doriane Azevedo.

 

Nesse período a infraestrutura urbana foi sendo adaptada para priorizar o tráfego motorizado, em detrimento de outros usos, como as calçadas e outros espaços para pedestres. "A Cuiabá de hoje é completamente diferente daquela que eu conheci na minha juventude, especialmente na área da mobilidade e em relação à paisagem urbana. O Centro da cidade foi totalmente descaracterizado, nas formas, conteúdo e diálogos com o entorno. E os novos parques já nasceram excludentes, no mínimo pela dificuldade de acesso", afirma a professora. 

 



A coordenadora
Doriane Azevedo é arquiteta e urbanista formada em 1999 pela Faculdade de Arquitetura,   Engenharia e Tecnologia da UFMT. É mestre em História e Fundamentos da Arquitetura,   do Urbanismo e da Urbanização (2006) e doutora em Planejamento Urbano e Regional   (2015) pela FAU/USP.  Professora na UFMT, coordena o Grupo de Pesquisa ÉPURA (   Estudo de Planejamento Urbano e Regional). "Sou das poucas pessoas em Cuiabá que não   têm carro. Caminho, uso o transporte público e pago todos os ônus dessa opção. Mas tenho   que ser coerente, porque o nosso grupo de pesquisa sempre trabalhou para estimular a   mobilidade urbana sustentável", resume a professora da UFMT. 

 

Saiba mais sobre a Campanha Calçadas do Brasil 2019

 

Leia também:
As "duas calçadas" de Curitiba
Campanha Calçadas do Brasil, um termômetro sobre o cumprimento da legislação
Lojistas pedem melhorias no transporte público de Cuiabá
Panorama das calçadas(2013)

Mobilidade urbana começa na sua calçada (2012)



  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Mais lidas


  • Nenhuma notícia encontrada.