Projeto rastreia calçadas para criar mapas de acessibilidade

Iniciativa internacional envolve Universidade de Washington e a Microsoft, além de cinco cidades do mundo, entre elas São Paulo. Meta é criar mapas de acessibilidade

Notícias
 

Fonte: Mobilize Brasil  |  Autor: Marcos de Sousa/Mobilize Brasil  |  Postado em: 25 de novembro de 2021

Acess Map e OpenSideWalks: acessibilidade na palma

Acess Map e OpenSideWalks: acessibilidade na palma da mão

créditos: Univ. de Washington - TCAT


As cidades e localidades de Quito (Equador), Valparaíso (Chile), Providência (Santiago, Chile), Los Angeles (EUA), e São Paulo, no Brasil, foram escolhidas para a primeira fase de um projeto de mapeamento da acessibilidade nos passeios públicos.  Os trabalhos estão sendo desenvolvidos dentro do programa "Inteligência Artificial para Calçadas Urbanas Acessíveis", que nasceu a partir de uma parceria da G3ict (Global Initiative for Inclusive Information and Communication Technologies) e a TCAT (Taskar Center for Accessible and Technology) da Universidade de Washignton, por meio do programa OpenSideWalks

 

A ideia, em linhas gerais, é mapear detalhadamente as calçadas, rampas de acessibilidade, sinalização e outros itens que proporcionam a circulação a pé ou em cadeira de rodas das pessoas com deficiência e idosos nos espaços urbanos. Esses dados servirão como base para um aplicativo que oferecerá rotas caminháveis e acessíveis a todas as pessoas. Para o desenvolvimento da tecnologia, o projeto conta com apoio da Microsoft.

 

No Brasil, o projeto está sendo coordenado pela arquiteta e urbanista Regina Cohen, que representa a G3ict no país. Moradora no Rio de Janeiro e cadeirante há alguns anos, a urbanista explicou que a cidade de São Paulo foi escolhida por ter uma grande diversidade de situações de urbanização, relevo e condições de trânsito, que permitem o ajuste do aplicativo às condições encontradas nas cidades brasileiras. 

 

A seleção da capital paulista para o projeto-piloto também se deve ao trabalho de mapeamento das infraestruturas viárias já realizado pela prefeitura em anos anteriores. Assim, participam da iniciativa as secretarias de Mobilidade e Transporte (SMT) e da Pessoa com Deficiência (SMPED).

 

Para uma primeira fase, foram selecionados os bairros de Vila Mariana e Lapa, mas posteriormente serão agregados os bairros Belém e Moóca, na zona leste, Santo Amaro, na zona sul, e Vila Maria, na zona norte da cidade, explicou a também arquiteta Denise Vac, que atua na área de mapeamento do projeto. 

 

Exemplos de dados levantados: altura do meio-fio, inclinação da rampa, material da calçada e piso tátil Imagem:TACT


Nesta etapa, realizada virtualmente, explicou ela, os colaboradores estão trabalhando para localizar e examinar cada quadra dos bairros, com destaque para as travessias, onde estão - ou deveriam estar - as rampas de acessibilidade e faixas de pedestres. Uma das organizações que colaboram nesse levantamento é o Instituto Biomob, que desenvolveu um app para indicar o nível de acessibilidade em estabelecimentos comerciais.

 

Avaliação nas ruas
Na etapa presencial, explica Denise Vac, as pessoas sairão às ruas para checar cada um dos pontos levantados e verificar a existência de obstáculos, como degraus, postes, bancas e outras barreiras que podem existir no meio das quadras, completou Regina Cohen. O objetivo, explicam as arquitetas, é construir um mapeamento colaborativo de toda a cidade e publicar essas rotas acessíveis em uma plataforma aberta, de forma que todas as pessoas e autoridades possam ter acesso e utilizar o mapeamento para integrar suas informações com outros serviços urbanos, ou simplesmente para planejar uma caminhada até um centro médico, uma escola, ou um teatro, por exemplo.

 


Mapas podem permitir a circulação em futuras cadeiras de rodas autônomas Imagem TCAT

 

Outra possibilidade interessante poderia ser a circulação com uma cadeira de rodas elétrica ou uma futura cadeira de rodas autônoma, guiada pelo mapeamento e também por sensores e câmeras estrategicamente colocados. A concepção desse "veículo" é mais um dos projetos do Taskar Center for Accessible and Technology, que também está na coordenação dos mapas Open Sidewalks e AcessMap.

 

Para saber mais e colaborar com o projeto contate [email protected]

 

Leia também:

Prefeitura lança "novo" mapa de calçadas em SP
Acessibilidade nas cidades é atropelada pelo Congresso
Lab.MaP, um laboratório com o pé nas calçadas
Seis cidades europeias concorrem a prêmio de acessibilidade da UE
Campanha Calçadas do Brasil 2019


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário