Semáforos para pedestres abrem em 3 segundos. Em Mercer Island, EUA

Um flash da mobilidade urbana em Mercer Island, Costa Oeste dos Estados Unidos, começando pela sinalização para pedestres

Notícias
 

Fonte: Mobilize Brasil  |  Autor: Eduardo Balint  |  Postado em: 10 de julho de 2017

Mercer Island

Mercer Island: cruzamento na região central da localidade

créditos: Reprodução Eduardo Balint

Eduardo Balint é um jovem brasileiro que vive nos Estados Unidos, quase na divisa com o Canadá. Ele acaba de concluir o high-school e está bem adaptado à vida local. Anda a pé, circula de bicicleta e, às vezes, pena esperando o ônibus, que também demora. De lá ele vai nos mandar alguns drops de conhecimento sobre a mobilidade em sua região. Leia o primeiro "drops de informação":

"Mobilidade urbana é hoje um desafio em todos os locais do mundo, desde grandes centros populacionais como São Paulo até pequenas cidades nos Estados Unidos. Moro atualmente em Mercer Island, uma localidade com 20 mil habitantes próxima a Seattle, e gostaria de compartilhar as principais diferenças e semelhanças com as principais cidades brasileiras. Não é um paraíso, como vocês verão, mas tem algumas qualidades que podem inspirar mudanças também no Brasil.

A primeira  - e mais espantosa diferença -  se refere aos semáforos para pedestres: em qualquer via, após 2 ou 3 segundos de seu acionamento, a rua já será liberada para que as pessoas possam fazer a travessia. São comuns também os semáforos com recursos auditivos, para auxiliar pessoas com deficiências visuais: após pressionar o botão, uma mensagem de áudio pede que o pedestre aguarde. Um ruído constante começa a soar até que nova mensagem informa que a rua já está livre para a travessia segura.

 


Semáforo sonoro: aviso indica momento seguro da travessia

Esses recursos facilitam muito o cotidiano de todas as pessoas, sejam elas crianças, jovens, idosos e especialmente pessoas com deficiência. Poupam tempo e aumentam a segurança nas ruas.

Mas, também aqui nos Estados Unidos encontramos locais com condições bem duras para pedestres. Por exemplo, calçadas sem pavimentação, feitas completamente de barro e terra, onde se formam buracos, que tornam muito difícil a passagem de pessoas com mobilidade reduzida, com uma cadeira de rodas por exemplo. Como se vê, mudar as cidades é um desafio para todos os países do mundo..."

Leia também:
Semáforos inteligentes para ciclistas fazem sucesso em Roterdã
Barcelona afasta carros, para ser uma cidade para pedestres
Cidades de pedestres são o futuro, mostra estudo da Arup


  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário

Enquetes
Enquete Você deixaria o carro em casa, e até o transporte público, se as calçadas de sua cidade fossem melhores para caminhar?