Brasília: (i) Mobilidade na EPIG - Estrada Parque Indústrias Gráficas

O trabalho sugere reflexões sobre o nível de mobilidade e acessibilidade na via EPIG, em Brasília, em especial em relação a pedestres, ciclistas e usuários do transporte público

Abrigo de ônibus superlotado em dia chuvoso

Abrigo de ônibus superlotado em dia chuvoso

créditos: Uirá Lourenço

Autor: Uirá Lourenço

Assunto: Apresentações

Abrangência: Brasília (DF)

Ano: 2018

O Governo do Distrito Federal (GDF) anunciou a construção de viaduto na EPIG, com o objetivo de aumentar a fluidez automotiva entre o bairro Sudoeste e o Parque da Cidade.

No entanto, durante dois anos, no trajeto casa-trabalho, o autor passou diariamente de bicicleta pela EPTG (Estrada Parque Taguatinga) e pela EPIG (Estrada Parque Indústrias Gráficas) e sentia na pele não só as dificuldades para pedalar, mas também notava as péssimas condições aos pedestres e aos usuários do transporte coletivo.

Ao longo desse tempo, Lourenço acompanhou as obras de megaampliação do espaço aos carros na EPTG, no projeto curiosamente chamado de Linha Verde.

Não se pretende aqui detalhar aspectos técnicos da via nem apresentar dados quantitativos como contagens de pedestres e de veículos. A abordagem é qualitativa e sobretudo baseada em imagens.

 

Leia também:

Imobilidade Feminina: sem motivos para celebração

O misterioso sumiço das bolas (balizadores) na Asa Sul

Arquivos
Download
Brasília (I) Mobilidade na EPIG - Estrada Parque
Trabalho sugere reflexões sobre o nível de mobilidade e acessibilidade na via EPIG, em Brasília, em especial em relação a pedestres, ciclistas e usuários do transporte público

 Voltar

Outros Estudos

Ver todos os estudos

  • Compartilhe:
  • Share on Google+

Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro!!!

Clique aqui e deixe seu comentário